Arquivo/AE
Arquivo/AE

Libertadores: São Paulo pensa em vantagem nas próximas fases

Time do Morumbi quer somar máximo número de pontos no Grupo 4 para sempre decidir em casa no mata-mata

Marcius Azevedo - Jornal da Tarde,

19 de março de 2009 | 22h12

A difícil vitória por 1 a 0 sobre o Defensor, na noite de quarta-feira, em Montevidéu, aproximou o São Paulo da vaga às oitavas-de-final da Libertadores. Agora, um novo triunfo contra o time uruguaio no dia 9 de abril, no próximo compromisso são-paulino na competição, no Morumbi, já garantirá a classificação antecipada.

Veja também:

linkJuvenal acena com juniores do São Paulo no Paulistão

linkBorges comemora evolução e gols na Copa Libertadores

linkSão Paulo briga para não jogar em Presidente Prudente  

linkMuricy Ramalho ainda não sabe quem jogará contra o Paulista

tabela Libertadores - Classificação

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

Mas o São Paulo não quer apenas avançar à próxima fase. A meta é somar o máximo possível de pontos - o time tem sete até agora, sendo que restam nove em disputa - para levar vantagem no mata-mata. Pelo regulamento da Libertadores, o melhor primeiro colocado faz sempre o segundo jogo em casa até o final. E exemplos não faltam para confirmar o quanto isso é importante.

No ano passado, o Fluminense, que contava com os agora são-paulinos Washington, Junior Cesar e Arouca, somou o maior número de pontos da primeira fase da Libertadores. Resultado: conseguiu chegar à decisão do título, passando por Atlético Nacional, São Paulo e Boca Juniors, sempre decidindo sua sorte no Maracanã.

"A possibilidade de decidir em casa é muito importante. No ano passado, ficamos em primeiro com o Fluminense e esse foi um dos fatores essenciais para conseguirmos chegar à final", admitiu o atacante Washington, dando a receita do sucesso aos seus companheiros no São Paulo.

Na Libertadores de 2008, o fator campo só não deu resultado na final. Mesmo assim, o Fluminense ainda conseguiu fazer 3 a 1 no Maracanã, revertendo a derrota para a LDU por 4 a 2 no jogo em Quito. O problema é que na decisão por pênaltis os equatorianos foram mais felizes e ficaram com o título.

O próprio São Paulo já provou da dificuldade que é decidir fora de casa. Nas últimas duas edições da Libertadores, o time foi eliminado mesmo depois de abrir vantagem jogando no Morumbi. Em 2007, os são-paulinos fizeram 1 a 0 sobre o Grêmio nas oitavas-de-final, mas levaram de 2 a 0 em Porto Alegre. O mesmo aconteceu no ano passado, só que pelas quartas-de-final. Vitória por 1 a 0 sobre o Fluminense no Morumbi e depois, no Maracanã, derrota por 3 a 1.

"Por isso, jogamos do mesmo jeito dentro e fora de casa", disse o técnico Muricy Ramalho, ao ser perguntado se era importante terminar em uma boa colocação na primeira fase da Libertadores. O goleiro Rogério Ceni, por enquanto, não quer pensar nisso. "Primeiro precisamos classificar", avisou o capitão do São Paulo, consciente de que ainda falta uma vitória para conseguir a vaga. "É cedo para fazer uma previsão do que vai acontecer lá na frente."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.