Alejandro Pagni/AFP
Alejandro Pagni/AFP

Libertadores terá primeira final sem brasileiro ou argentino desde 1991

Atlético Nacional e Independiente Del Valle decidirão torneio

Estadão Conteúdo

15 de julho de 2016 | 10h34

As eliminações de São Paulo e Boca Juniors nas semifinais da Copa Libertadores propiciaram um fato que não acontecia há 25 anos. Com Atlético Nacional, da Colômbia, e o surpreendente Independiente del Valle, do Equador, agora como únicos clubes ainda na luta pelo título, a competição terá pela primeira vez desde 1991 uma decisão sem pelo menos um representante brasileiro ou argentino.

Naquela ocasião, o Colo-Colo, do Chile, ficou com o título continental ao derrotar o Olimpia, do Paraguai, por 3 a 0, em Santiago, no duelo de volta da final, após empate por 0 a 0 na partida de ida, em Assunção.

Depois desta decisão, por sua vez, apenas em três edições da Libertadores o campeão não foi um representante do Brasil ou da Argentina. No caso, o Olimpia, que levou o título ao bater o São Caetano nos pênaltis, em 2002, no Pacaembu; o Once Caldas, da Colômbia, que superou o Boca Juniors também nas penalidades, em casa, em 2004, e a LDU, do Equador, outro clube que conquistou a taça nos penais ao passar pelo Fluminense no Maracanã, em 2008.

O São Paulo, maior vencedor do torneio entre os times do Brasil, se sagrou tricampeão neste período de 25 anos com os títulos de 1992, 1993 e 2005, assim como foi vice em 1994 e 2006. Já os outros times do Brasil que triunfaram neste um quarto de século na competição foram Grêmio (1995), Cruzeiro (1997), Vasco (1998), Palmeiras (1999), Internacional (2006 e 2010), Santos (2011), Corinthians (2012) e Atlético-MG (2013). A Argentina, por sua vez, ficou com a taça no período com Vélez Sarsfield (1994), River Plate (1996 e 2015), Boca Juniors (2000, 2001, 2003 e 2007), Estudiantes (2009) e San Lorenzo (2014).

Time de melhor campanha nesta edição da Libertadores, o Atlético Nacional despachou o São Paulo com duas vitórias nas semifinais. E curiosamente o mesmo ocorreu com o Independiente del Valle, que nunca sequer foi campeão equatoriano e venceu o Boca Juniors em casa e depois em Buenos Aires, na última quinta-feira, em plena La Bombonera, por 3 a 2.

 

Favorito ao título nesta decisão de 2016, o time colombiano já faturou a Libertadores em 1989, quando passou pelo paraguaio Olimpia, nos pênaltis, em Bogotá. Na ocasião, foi derrotado na partida de ida da final por 2 a 0, em Assunção, mas devolveu o placar em casa e forçou a disputa por penalidades.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.