Thiago Carvalho / AssCom Cuiabá
Thiago Carvalho / AssCom Cuiabá

Líder da Série B, Cuiabá mantém visão de crescimento gradual sem pressão pelo acesso

Equipe do técnico Marcelo Chamusca ainda está classificada para o mata-mata do campeonato Estadual com a melhor campanha da primeira fase e é a atual campeã da Copa Verde

Luís Felipe Santos, especial para O Estado

21 de setembro de 2020 | 08h30

Líder da Série B do Campeonato Brasileiro com seis vitórias, três empates e uma derrota, classificado para o mata-mata do campeonato estadual com a melhor campanha da primeira fase e atual campeão da Copa Verde, o Cuiabá vive uma boa fase em meio à pandemia. Ainda assim, todos na equipe do Mato Grosso procuram manter os pés no chão, focando em um processo de construção e melhora gradual do time em vez de mirar voos mais altos sem planejamento.

"Penso que esse bom começo é principalmente por causa do bom planejamento. A diretoria montou o time de maneira estudada, foi bastante pesquisado todos os jogadores que ela iria trazer e o clube já tinha feito uma campanha boa no ano passado. Mantiveram o treinador, que já conhece a competição e já conquistou acesso, trouxeram atletas já familiarizados com a Série B e que são experientes", explica o volante Auremir.

O técnico Marcelo Chamusca concorda com essa avaliação. "O time vem se estruturando, fazendo aquilo que eu acredito que seja o planejamento ideal para o crescimento de uma equipe de futebol. E, devido a isso, consegue dar boas condições de trabalho, tem organização interna, paga em dia, tem condição de logística e condição financeira para montar uma equipe competitiva para um campeonato tão difícil como é a Série B", opina. Para se ter uma comparação, o Cruzeiro, vindo da elite, tem dificuldades para ganhar suas partidas.

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
A gente não difere de jogo em casa para jogo fora, procuramos sempre manter a postura. A gente acredita que o campo é de quem vai lá e joga; o estádio pode até ser do adversário, mas o campo é de quem vai e se dispõe a buscar a vitória
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313
Chamusca, treinador

Já sobre os aspectos táticos, Chamusca explica como trabalha o elenco e aponta caminhos para possíveis melhoras. "Eu procuro ter um conceito de jogo com cada uma das três fases bem trabalhadas. Tenho uma ideia bem definida para cada atapa e vou alinhando ali com eles, os atletas, dependendo também do adversário, do espaço que ele me proporciona. Acho que a gente pode melhorar um pouquinho a nossa fase ofensiva do jogo, saber enfrentar melhor adversários que jogam com as linhas mais baixas. A gente ainda tem essa dificuldade de construção e nisso podemos evoluir", analisa o treinador.

Ainda assim, o técnico elogia a postura da equipe em jogos fora de Cuiabá. "A gente não difere de jogo em casa para jogo fora, procuramos sempre manter a postura. A gente acredita que o campo é de quem vai lá e joga; o estádio pode até ser do adversário, mas o campo é de quem vai e se dispõe a buscar a vitória."

Tanto treinador quanto atleta ressaltam as dificuldades extras trazidas pela pandemia: enquanto Auremir se preocupa com lesões e viagens em um curto espaço de tempo, Chamusca destaca a importância do setor de análise de desempenho para o Cuiabá, na tentativa de evitar problemas físicos entre os jogadores, dando descanso assim que sinais de fadiga muscular são detectados.

Cristiano Dresch, vice-presidente do Cuiabá, alerta que se passaram apenas nove rodadas e que é cedo para saber se o time vai brigar pelo acesso à elite do futebol brasileiro. Não quer sonhar antes do tempo. "A gente tem de ser muito pé no chão. Quem conhece a Série B sabe que é muito difícil, é uma competição equilibrada, e esse ano está mais equilibrada ainda. Acreditar, a gente acredita desde o início, mas sabemos da dificuldade, não vamos ser marinheiros de primeira viagem. O Cuiabá está pensando em ser um dos quatro para subir para a Série A, sim, e estamos dispostos a fazer o investimento para isso", afirma o dirigente. O investimento vem de parceiros fixos e pontuais do clube.

Chamusca faz coro com o discurso de Dresch. "Para seguir brigando, o time precisa manter esse espírito competitivo que vem demonstrando, continuar trabalhando sempre pensando no próximo jogo, não ficar fazendo muitas projeções a médio e longo prazo, ainda mais em um campeonato atípico como está sendo esse (por causa da pandemia e dos muitos jogos próximos). Também precisa ter o entendimento que a competição é extremamente nivelada e ficam muitos times se alternando no G-4. No mais, é continuar fazendo o que fizemos até essa rodada", diz o treinador. Auremir projeta que apenas quando faltar 12 ou 13 jogos para o fim do torneio será possível ter certeza de qual será a briga do time.

HISTÓRIA

O Cuiabá foi fundado em 2001, como um projeto do ex-jogador Gaúcho como um clube-empresa, e começou a jogar campeonatos profissionais em 2003. Já nas duas primeiras temporadas foi campeão mato-grossense. É um clube recém-nascido, portanto, perto dos centenários do futebol brasileiro. Em 2007 e 2008, por problemas financeiros, não conseguiu disputar torneios profissionais, e em 2009, foi comprado pela família Dresch.

Empresários do ramo de borracha para recapagem de pneus, os Dresch já haviam patrocinado o clube anteriormente em 2003 e se interessaram em comprá-lo após a confirmação de que Cuiabá seria uma das sedes da Copa do Mundo de 2014. Sob o controle da família, o Cuiabá foi sete vezes campeão estadual e bicampeão da Copa Verde - no último título regional, em 2019, já tinha Marcelo Chamusca como técnico - e subiu para a Série B. Financeiramente, cada etapa dos torneios e conquistas têm seus ganhos. Se pular para a Série A em 2021, por exemplo, a cota de transmissão de TV mais que dobra em relação à Segundona.  

Dresch relata algumas melhorias recentes que o clube teve, tanto na infraestrutura física quanto de pessoal. "Investimos para ter um centro de treinamento próprio, completo. A gente investiu em todas as áreas do CT nesse ano, campo de treinamento, academia, departamentos médico, fisioterapia, fisiologia, nutrição. O CT tem um hotel, que foi todo reformado também. Antes, o departamento médico era reduzido, tínhamos só um médico. A gente ampliou isso, temos um grupo multidisciplinar que não deixa a desejar para nenhum time de Série B", orgulha-se.

Segundo o vice-presidente do clube, ainda há previsão de mais investimentos, como um gramado sintético para a Arena Pantanal e um hotel para a base. Existe também projetos para melhorar as condições da categoria de base. "Fazemos um trabalho de transição, procuramos envolver bastante o nosso sub-18 com o nosso profissional. Temos bastante jogadores que estão sendo alocados em times maiores, mas não tem um jogador do elenco profissional do Cuiabá que venha da categoria de base. Há dois ou três jogadores que fazem parte do elenco, mas não estão jogando. Estamos mudando esse projeto da nossa base para num futuro próximo a gente ter valores formados em casa. Vamos começar a reter esses talentos aqui", projeta Dresch.

Chamusca tambem valoriza a base. "A partir do ano passado, quando cheguei, a gente já tem trabalhado na equipe principal com alguns jogadores. Alguns,  inclusive, já foram emprestados para outros clubes e a gente já deu oportunidades no campeonato estadual para os que se destacaram na Copa São Paulo. Então, nossa ideia é de continuar integrando, ajudando o clube na formação dos atletas e se o ele tiver talento, tiver personalidade e tiver condição, em todos os lugares onde passei sempre trabalhei com os jogadores de base e aqui a gente vai fazer o máximo para aproveitar também", afirma.

Sobre a torcida, o Cuiabá espera que volte a empolgar os torcedores da cidade. "O Cuiabá já chegou a ter 4 mil sócios ativos. Hoje a gente está com 500, reduziu muito. A presença da torcida depende da fase do time, se a gente tivesse o público liberado, tenho certeza de que os jogos teriam mais de 20 mil pessoas. Mas o sócio-torcedor, dentro do nosso orçamento, tem uma participação pequena, a maior parte do dinheiro vem mesmo de patrocínios e da televisão", relata Dresch.

Outro obstáculo que o clube considera é a ausência de adversários locais de bom nível - após a pandemia, por exemplo, viajou para enfrentar Goiás e Atlético-GO e poder retomar o ritmo de jogo contra times de maior qualidade. Mas, caso o clube de fato conquiste o acesso para a Série A nesta ou em outras temporadas, a primeira meta é bem clara: se consolidar na primeira divisão, evitando ser rebaixado logo na sequência e, somente então, pensar em objetivos maiores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.