Washington Alves/Divulgação
Washington Alves/Divulgação

Líder do Brasileirão, Cruzeiro atinge a marca de 40 mil sócios

Crescimento no número de sócios-torcedores, de janeiro a outubro, já passa de 450%

Felipe Resk, Especial para O Estado de S. Paulo

31 de outubro de 2013 | 16h39

SÃO PAULO - A um passo de ser campeão brasileiro, o Cruzeiro conquistou, nesta quinta-feira, uma marca importante também fora dos gramados. O clube mineiro atingiu o número de 40 mil sócios-torcedores, de acordo com o Movimento por um Futebol Melhor, parceria entre um grupo de empresas e instituições desportivas, iniciado em janeiro. Agora, a Raposa ocupa o sexto lugar do ranking nacional, liderado pelo Internacional com pouco mais de 109 mil sócios. Em março, o presidente celeste Gilvan de Pinho Tavares afirmou que pretendia alcançar o número de 40 mil sócios apenas em dezembro. Mas os bons resultados superaram as expectativas, tornando-se o maior crescimento entre os clubes de todo o País.

Em 2013, o clube saltou de 7.023 associados, em janeiro, para 40.069, no final de outubro. Um crescimento superior a 450%. O líder do Brasileiro tem seu programa desde 2004. Atualmente, a Raposa oferece cinco modalidades de sócios: Tríplice Coroa, Libertadores, Brasileiro, Copa do Brasil e Cruzeiro Sempre. O desconto médio na compra de ingresso é de 50% em todas as categorias. Além disso, através do programa Futebol Melhor, o sócio pode receber abatimentos no preço de mais de 650 produtos, seja em rede de supermercados, lojas de material esportivo ou mesmo TV por assinatura. Até o início de outubro, o movimento proporcionou cerca de R$ 2 milhões em descontos aos cruzeirenses.

"O Cruzeiro percebeu que precisa tratar o torcedor como cliente. Hoje, ele tem vantagens não apenas nos dias das partidas, mas durante a semana inteira", afirma Marcone Barbosa, diretor de marketing do clube. Na visão do dirigente, o sucesso do programa é baseado num triângulo: política de preço do ingresso, retorno do Mineirão - após dois anos e meio interditado -, e montagem de elenco forte.

A receita gerada no clube mineiro é investida na equipe profissional do Cruzeiro. Em 2013, ela deu segurança para contratar atletas renomados, a exemplo de Dedé e Júlio Baptista. Os dois reforços de peso serviram também para promover o programa sócio-torcedor. Tanto que a apresentação do zagueiro foi feita em um supermercado parceiro do Futebol Melhor, enquanto o meia chegou ao Mineirão em um carro-forte grafado com a frase: "Patrimônio Sócio do Futebol".

Em 2012, o Cruzeiro teve faturamento bruto de cerca de R$ 12 milhões, somando o arrecadação de sócios e bilheteria. Nesta temporada, o programa de sócio-torcedor fortaleceu os cofres da Raposa. Até o momento, a soma das duas receitas já é superior a R$ 60 milhões, dos quais cerca de R$ 31 milhões provêm diretamente da venda de ingressos.

TORCEDÔMETRO

1º Internacional - 109.224

2º Grêmio - 73.939

3º Santos - 53.523

4º Corinthians - 45.598

5º Flamengo - 40.700

6º Cruzeiro - 40.069

7º Palmeiras - 37.950

8º Atlético-MG - 25.082

9º São Paulo - 24.752

10º Sport - 22.002

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.