Ivan Storti / Santos FC
Ivan Storti / Santos FC

Líder do elenco, David Braz está prestes a fazer 200º jogo pelo Santos

Zagueiro vai para a Argentina enfrentar o Estudiantes mesmo sem estar com 100% das condições físicas

Leandro Silveira, Estadão Conteúdo

05 de abril de 2018 | 11h06

A definição sobre a presença de David Braz no duelo do Santos contra o Estudiantes nesta quinta-feira, em Quilmes, na Argentina, pela terceira rodada do Grupo F da Copa Libertadores, será historicamente importante. Afinal, caso tenha condições de entrar em campo e seja escalado pelo técnico Jair Ventura, atingirá a expressiva marca de 200 jogos disputados pelo clube da Vila Belmiro.

+ Estudiantes e Santos duelam na Argentina pela liderança do grupo

+ Renato entoa mistério, mas diz que David Braz deve atuar contra o Estudiantes

+ Confira a tabela da Copa Libertadores

"Significa muito. Estou muito feliz por essa marca. Tenho muito orgulho de vestir essa camisa. É um sonho, por tudo o que eu já passei, não só na vida, como na carreira. Passei por desconfiança, lesões, por tudo o que pode acontecer no futebol. Poder fazer história, queira ou não, em um time grande é importante", afirmou o defensor, em entrevista coletiva.

David Braz está em sua segunda passagem pelo Santos, sendo que a primeira foi iniciada em maio de 2012. Naquela oportunidade, com 24 anos, o defensor chegou envolvido em uma troca com o Flamengo, que recebeu o meia Ibson e cedeu, em troca, o zagueiro formado nas divisões de base do Palmeiras e o lateral-direito Rafael Galhardo.

Só que David Braz não teve sucesso inicial no Santos. Se lesionou pouco após a sua estreia e, quando se recuperou, não conseguiu encontrar espaço em uma zaga que tinha Durval e Edu Dracena como titulares absolutos. Com apenas sete jogos oficiais disputados, então, acabou sendo emprestado ao Vitória.

No seu retorno, então, conquistou o seu espaço no Santos, tendo sempre disputado 30 ou mais jogos entre 2014 e 2017 pelo clube. E em agosto de 2015, meses antes do final do seu contrato, o ampliou por quatro anos, em uma demonstração de confiança e satisfação da direção com o seu desempenho.

No seu currículo, além dos 199 jogos disputados, possui o título da Recopa Sul-Americana de 2012 e dos de duas edições do Campeonato Paulista, em 2015 e 2016. Além disso, tem 17 gols marcados e assumiu um papel de líder do elenco, além de ser visto como um exemplo para os jovens do elenco.

E David Braz comentou essa mudança de status no Santos, do jovem que buscava a consolidação em um time grande em 2012, quando chegou ao clube, para o de referência em um grupo que conta com várias jovens promessas.

"Cheguei menino e agora sou experiente. Brincava com Neymar, agora nem posso mais brincar com Gabigol e Rodrygo.... Minha resenha é com Renato, Vanderlei, os mais velhos", brincou, agradecendo aos técnicos que o utilizaram no Santos. "São muitos. Muricy, Levir, Dorival, Marcelo Fernandes, Enderson, Oswaldo, que me deu oportunidade depois de ser emprestado e não posso nunca me esquecer dele", acrescentou David Braz, que só está atras de Renato e seus 401 jogos disputados pelo clube da Baixada Santista em duelos disputados.

Às vésperas de chegar aos 200 jogos pelo Santos, David Braz sofreu um revés pessoal. O zagueiro está com um edema muscular na coxa direita e não tem presença garantida no duelo desta quinta-feira em Quilmes, mas viajou para a Argentina, onde faz tratamento e passará por nova avaliação para diagnosticar se poderá ser aproveitado.

"O jogo é duro, é importante, vamos tentar conquistar a liderança do grupo na Libertadores", disse em entrevista ao SporTV o zagueiro, que disputou 14 das 18 partidas que o Santos fez nesta temporada, todas como o titular absoluto e líder que se tornou nos últimos anos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.