Líder isolada, Ponte mantém suas armas

Entrando na quarta semana na liderança do Campeonato Brasileiro, a Ponte Preta tenta manter a humildade. Para não sair do rumo, o técnico Oswaldo Alvarez, o Vadão, insiste em mostrar aos seus jogadores as armas de tanto sucesso: pegada na marcação, garra e espírito coletivo. Com 26 pontos, isolado na ponta, o time espera continuar somando pontos contra o Botafogo, quarta-feira, às 19h30, no Arena Petrobras, na Ilha do Governador, no Rio de Janeiro. A preocupação do técnico é manter a motivação em alta, o que pode ser assimilado, segundo ele, "com as experiências acumuladas durante a competição". Uma delas aconteceu no último jogo, na virada de 2 a 1 sobre o Figueirense, depois de sofrer um gol aos 32 segundos de jogo. Vadão não quis comentar a falha no gol, que saiu num contra-ataque. Após a saída de bola, vários jogadores se atiraram ao ataque, mas o Figueirense recuperou a bola e abriu o placar. "Vivemos uma situação inusitada, porque os jogadores não acreditaram num gol tão rápido. O time só acalmou no intervalo, quando lembrei que já estávamos empatados e tínhamos mais 45 minutos para virar o jogo, como realmente aconteceu". Mas a fase é mesmo favorável ao time campineiro. Pela terceira vez seguida o técnico poderá escalar a mesma formação pela 13.ª rodada. Não há problemas de contusão nem com cartões ou suspensões. "É ótimo, porque temos um bom conjunto e isso tem sido importante". Os jogadores se apresentam nesta segunda-feira cedo e vão treinar em dois períodos. À tarde deve haver um treino tático-técnico. Na terça-feira cedo acontecerá o recreativo e à tarde a delegação seguirá para o Rio de Janeiro. No próximo final de semana, a Ponte vai receber, em Campinas, o Fluminense.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.