Rubens Chiri/São Paulo FC
Rubens Chiri/São Paulo FC

Líder São Paulo 'dribla' desfalques e é o time que menos usou jogadores no Brasileirão

Com poucas ausências por covid-19, lesões e suspensões, Fernando Diniz colocou apenas 26 atletas nos 24 jogos pela competição

Pedro Ramos, O Estado de S.Paulo

12 de dezembro de 2020 | 09h00

Líder do Brasileirão, o São Paulo alcançou o topo da tabela sendo o time que menos levou jogadores a campo em meio ao calendário apertado devido à pandemia do novo coronavírus. O baixo número de lesões e de atletas contaminados pela covid-19 ajudam a explicar o número de 26 atletas utilizados, quatro a menos que o Fortaleza, segundo colocado no quesito. A média do campeonato é de 33,5. 

Mesmo com a pandemia, o número de 26 atletas também é inferior ao do próprio São Paulo no Brasileirão do ano passado, quando o time mandou a campo 34 jogadores. Além disso, em 2020, o time do técnico Fernando Diniz não teve desfalque por suspensão por cartão vermelho, única equipe que ainda não teve atleta expulso na atual edição do campeonato.

A preocupação com a covid-19 também é redobrada e o controle é rígido. O último jogador do São Paulo que testou positivo para o coronavírus foi o volante Tchê Tchê no dia 7 de novembro. 

A sala de musculação foi montada na parte externa, utilizando tendas. O clube investe em voos fretados, com o embarque e desembarque de jogadores realizado geralmente na pista. Os atletas utilizam quartos individuais nos hotéis e, durante as preleções, todos os participantes usam máscara.

O clube também tem sido rigoroso no controle e na monitoração dos atletas. No fim de novembro, o zagueiro Bruno Alves ficou fora dos confrontos contra Ceará e Bahia por precaução após um familiar contrair o coronavírus. O camisa 3, que já havia testado negativo, voltou a ser examinado, assim como seus familiares, sendo liberado para treinar ao lado dos jogadores que não viajaram a Fortaleza e Salvador.

"A gente só está tendo sucesso nos casos de covid-19 por causa do excelente trabalho que está sendo desenvolvido pelo nosso departamento médico, de maneira especial do doutor (José) Sanchez, que é quem está pilotando isso, trabalhando incessantemente dia e noite para que a gente consiga ser o time com mesmo casos de covid-19 até agora", afirmou Diniz, após o empate por 1 a 1 com o Ceará.

O trabalho da comissão técnica, que reduziu o número de desfalques ao longo do ano, permitiu ao técnico Fernando Diniz repetir a escalação em oito jogos do Brasileirão. Promover o rodízio do elenco em muitas partidas não é prática comum do treinador, que prefere ouvir os jogadores antes de definir uma escalação. Para ele, a integração entre diferentes setores da comissão técnica ajuda a manter o time saudável.

“A gente tem mania de analisar um jogador só pela parte biológica. Eu não trabalho assim. Como falar que um time está cansado se só aumentou a aceleração? Os dados de GPS dos nossos jogadores são muito altos. Tem jogador que dobra jogo e não se lesiona mais. Temos que analisar o futebol de maneira mais profunda”, analisou o treinador.

Há 17 jogos invicto no Brasileirão, o São Paulo é líder, com sete pontos de vantagem para o vice Atlético-MG. Os dois se enfrentam na próxima quarta-feira, 16, às 21h30, no Morumbi. Antes disso, o time de Fernando Diniz tem o clássico com o Corinthians, domingo, na Neo Química Arena

Times que menos utilizaram jogadores no Brasileirão 2020:

  • São Paulo - 26
  • Fortaleza - 30
  • Goiás - 32
  • Inter - 32
  • Palmeiras - 32
  • Atlético-GO - 33
  • Atlético-MG - 33
  • Ceará - 33
  • Corinthians - 33
  • Santos - 33
  • Vasco - 33
  • Bahia - 34
  • Bragantino - 34
  • Fluminense - 34
  • Grêmio -  34
  • Sport - 34
  • Botafogo - 37
  • Flamengo - 37
  • Coritiba - 38
  • Athletico-PR -  39

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.