Liedson acusa Fábio Costa de covardia

Liedson saiu do Morumbi, na quarta-feira, imaginando que Fábio Costa falava averdade quando se desculpou. Naquela hora, o goleiro santista disse que não teve nenhuma maldade no lance em que acertou o jogador corintiano. À noite, revendo o lance nas emissoras de tevê, Liedson concluiu que Fábio Costa mentiu. ?Ele não foisincero. Foi uma agressão covarde." Depois, ainda alfinetou outro jogador do Santos, Fabiano, que registrou B.O. após o jogo contra o goleiro Doni, por agressão. ?Fui agredido pelo Fábio Costa e nem por isso registrei boletim de ocorrência contra ele na delegacia." O atacante do Corinthians viu a repetição do lance várias vezes na tevê. E a cada imagem se convencia ainda mais da covardia de Fábio Costa. ?Foi sem querer nada. Ele me acertou de propósito e ainda veio me pedir desculpas no final do jogo." Na hora,Liedson aceitou o pedido de desculpas porque imaginou que Fábio Costa estava sendo sincero. ?Mas na tevê ficou claro. Primeiro ele socou a bola e depois me acertou de propósito com o braço esquerdo. O Fábio Costa teve a intenção de me acertar. Como eu disse, foi uma covardia da parte dele." Provavelmente orientado pela diretoria, Liedson ainda procurou medir as suas palavras. Fora esse desabafo, o atacante fugiu de toda e qualquer pergunta que pudesse alimentar a polêmica com o Santos. Nem sempre conseguiu. O atacante tentou não dizer textualmente que espera uma punição para Fábio Costa. Mas deixou claro que a atitude do goleiro deve ser avaliada - e depois julgada - pela Comissão Disciplinar da CBF por intermédio das imagens de tevê. ?Se espero uma punição para ele? Para dizer a verdade, não espero nada. Só sei que as câmeras de tevê estão aí. Não há dúvidas de que fui agredido. Há gente mais competente do que eu para julgar o que aconteceu." Liedson também não quis prever se no jogo de volta contra o Santos, dia 2 de novembro, Finados, na Vila Belmiro, o clima entre os jogadores pode esquentar outra vez. Na verdade, o atacante nem sabe dizer se ainda estará no Corinthians até lá. Mas, se estiver, promete não mudar o seu comportamento. ?De minha parte, vou jogar normalmente. Acho que todo mundo deveria agir da mesma forma. O que acontece em campo deve ser resolvido em campo. Sou contra esse negócio de levar problemas de jogo para a delegacia."

Agencia Estado,

10 de julho de 2003 | 18h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.