Liedson apimenta clássico contra Fla

Sempre que Corinthians e Flamengose encontrarem, certos assuntos certamente serão explorados ?por mais que já o tenham sido. O "choque das duas maiorestorcidas do País", por exemplo, é o tema predileto por todos equase impossível de ser evitado. Contudo, as atenções nestedomingo, às 16 horas, no Pacaembu, pelo Campeonato Brasileiro,não estarão nas arquibancadas, mas sim no atacante corintianoLiedson. Ele é um dos poucos privilegiados que tiveram aoportunidade de vestir a camisa das duas equipes mais popularesdo Brasil. Mas será que existe alguma diferença na forma comocorintianos e flamenguistas encaram esse confronto? É inegávelque existe a rivalidade. Porém, trata-se de um sentimentodistinto do que tradicionalmente acontece quando dois rivais seencontram. Nada tem a ver com o clima que antecede os clássicosregionais, seja um Corinthians x Palmeiras ou Fla x Flu. É algoque mexe mais com o ego, com a mania de grandeza dessas duasnações. "É verdade, fica mais restrito aos torcedores e acobrança não é tão grande", observou Liedson. E observar o atacante comentar o "encontro degigantes" é até engraçado. Ao mesmo tempo que procura escolhera dedo cada palavra, a fim de evitar polêmicas ? "não tem muitadiferença jogar aqui ou lá, são duas grandes equipes"...etc etal ?, Liedson se trai. Involuntariamente cutucou os cariocasdurante a semana. "Lá (na Gávea) a gente jogava pra não serrebaixado. Aqui jogamos para conquistar títulos", comparou.Pronto, o pacato, calado e recatado baiano apimentou a partida. Por pontos ? Como se não bastassem todos os ingredientesque cercam o ambiente, o clássico tornou-se importante tambémpelo aspecto mais prático. Tanto corintianos como flamenguistasforam derrotados na última rodada (2 a 1 diante do Inter-RS e 2a 0 contra o Santos, respectivamente). Vencer, portanto, égarantia de clima tranqüilo e motivado, sobretudo para ospaulistas, que no dia 1º enfrentam o River Plate, em BuenosAires, na primeira partida das oitavas-de-final da CopaLibertadores da América. Então, para tentar viajar em paz, o técnico Geninho vaiescalar o volante Cocito, que fará sua estréia no Corinthians,no lugar do suspenso Fabinho. "Claro que ainda falta ritmo eentrosamento para ele (Cocito), mas estou satisfeito com seudesempenho nos treinos", afirmou o treinador. Para o jogador,que não consegue esconder a ansiedade, é a chance de entrar enão sair mais do time. "Tenho certeza que vamos fazer um grandejogo."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.