Liedson sonha com título e seleção

Idolatrado em Portugal, onde é o artilheiro do campeonato com 25 gols - 11 a mais do que o segundo no ranking dos goleadores - o ex-corintiano Liedson poderá conquistar seu primeiro título no continente europeu. Ele vai entrar em campo pelo Sporting, de Portugal, que disputa a final da Copa da UEFA contra o CSKA de Moscou, nesta quarta-feira, em Lisboa. Do outro lado do campo, estará o ex-palmeirense Vágner Love. Liedson comenta o que acha do time russo: "É uma equipe muito difícil, acredito que a parte mais forte deles é a defesa, mas também tem um ataque bastante veloz, com grandes jogadores, como o Vágner Love, o Daniel Carvalho. Temos que tomar muito cuidado para não sermos surpreendidos". Artilheiro dos campeonatos em todos os clubes por que passou, Liedson acredita que o título pode ser o caminho para um lugar na seleção brasileira: "Se não for o caminho, acho que é bem encaminhado. Porque é o título do segundo maior campeonato da Europa, só perde para a Liga dos Campeões, e é uma oportunidade de a gente mostrar o nosso trabalho". Mesmo de olho na seleção, Liedson conta que só encontrou uma vez com o técnico Carlos Alberto Parreira, quando ainda estava no Corinthians. "Uma vez que ele foi visitar e a gente estava no Rio. Mas eu estou na expectativa de um dia ter uma oportunidade. Acho que se eu estiver bem aqui no Sporting e continuar a fazer gols, vou fazer por merecer a oportunidade". Em Portugal, onde ganhou o apelido de Levezinho, numa referência ao seu corpo franzino, ele está à beira de chegar aos 50 gols em ano e meio, contando as competições internas e européias. "Logo na minha primeira temporada eu fiz 15 gols só no campeonato, ao todo foram 19. Isso depende do entrosamento e a minha adaptação aqui foi rápida". Ele afirma que se sente bem em Portugal, um país em que é fácil de viver. "Estou muito adaptado, já conheço quase a cidade toda aqui, fui muito bem recebido desde o primeiro dia até hoje, e a gente vai retribuindo". Para o artilheiro, uma das vantagens de viver em Portugal é que há pouca violência. Comparando a forma de atuar dos centroavantes brasileiros e europeus, ele aponta a principal diferença: "Geralmente os brasileiros têm a vantagem pela rapidez, e os europeus tem mais presença de área e melhor jogo aéreo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.