Liedson vai continuar no Corinthians

O jogador ainda estava meio confuso quanto ao seu futuro quando se reapresentou ao clube, hoje pela manhã. À tarde, porém, num encontro entre a diretoria corintiana e o presidente do Prudentópolis, João Alberto Ituarte, no Parque São Jorge, ficou definido que o atacante vai cumprir o seu contrato com o Corinthians até o fim, em 31 de dezembro. A última ameaça é muito improvável: uma proposta de um clube de ponta do polo formado por Itália, Espanha, Alemanha e Inglaterra. As inscrições no mercado europeu terminam quarta-feira. O Corinthians também se comprometeu a fazer um aditamento no contrato de empréstimo do jogador, aceitando que Liedson seja negociado ainda este ano com qualquer clube do Brasil ou do exterior. Em troca ficará com Liedson até o fim do ano. Outra hipótese é a de o próprio Corinthians comprar 50% dos direitos federativos do atacante. Na reunião do Conselho Deliberativo, hoje à noite, esse assunto entrou na pauta do dia. Liedson até já começou a treinar pelo Corinthians. Correu em volta do gramado e fez alongamentos. Antes, submeteu-se a um teste de avaliação física com o fisiologista Renato Lotufo. De acordo com o médico, Liedson está bem e pode voltar ao time. O gerente de futebol Edvar Simões ficou de consultar a CBF para saber se o atacante pode enfrentar o Atlético-MG, quarta-feira, às 21h40, no Pacaembu, na estréia do Corinthians na Copa Sul-Americana. Na volta ao clube, Liedson parecia confuso em relação ao seu futuro. Ao explicar porque não ficou no Dinamo de Kiev, primeiro disse que no contrato não constava tudo o que foi combinado no Brasil. No final da coletiva caiu em contradição, dizendo que ficaria ´muito esquecido lá´. Liedson teve de se explicar melhor. "A Seleção Brasileira foi um dos vários motivos que me fizeram não aceitar. Gastei dinheiro e perdi tempo mandando traduzir do inglês e do russo para o português. Quando li, vi que tinha muita coisa errada", acrescentou o atacante. Liedson, no entanto, foi bem claro em relação à sua vontade: quer ficar no Corinthians. "Só saio daqui se tiver uma ótima proposta do exterior. E, mesmo assim, vai depender do clube e do país. Tem que ser um time de ponta". Pela manhã, Liedson antecipou que não participaria da reunião, à tarde. "O problema é deles". Já em relação ao interesse do Cruzeiro ele desconhece o assunto. "Não estou sabendo de nada. Só no começo do ano, antes de vir para o Corinthians, eu conversei com o Cruzeiro. Mas agora eu acho difícil porque já joguei no Campeonato Brasileiro e não poderia atuar em nenhuma outra equipe da série A". Liedson disse ainda que tirou lições dessa ida frustrada para a Ucrânia. "Nunca se deve confiar nas pessoas que te cercam". A ´bronca´ maior é com o presidente do Prudentópolis, que detém 70% dos seus direitos federativos. "Não gostei de algumas coisas que ele andou falando".

Agencia Estado,

28 de julho de 2003 | 19h09

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.