Benoit Tissier / Reuters
Benoit Tissier / Reuters

Liga francesa confirma suspensão do uso da tecnologia na linha do gol após falhas

Diretor da entidade diz que serviço prestado pela empresa GoalControl não é confiável no momento

Estadão Conteúdo

12 Janeiro 2018 | 09h58

A Liga de Futebol Profissional (LFP, na sigla em francês) da França confirmou que suspendeu o uso da tecnologia na linha do gol em suas competições após a ocorrência de falhas durante jogos pelas quartas de final da Copa da Liga nesta semana. Em um comunicado, a LFP disse que informou a empresa GoalControl "da suspensão imediata" da utilização da sua tecnologia após "mais duas falhas técnicas" nas partidas.

+ Neymar fica fora da seleção do ano no futebol europeu

+ Menos habilidoso da família, Marquinhos projeta ápice na Rússia

+ Veja a tabela do Campeonato Francês!

A liga francesa já havia declarado no mês passado que queria melhorias após expressar "insatisfação com as falhas" em várias partidas com o GoalControl, o mesmo sistema utilizado na Copa do Mundo de 2014. A Fifa ainda não confirmou se o GoalControl será usado na Rússia, no Mundial deste ano.

O problema fez o árbitro Nicolas Rainville levar cerca de um minuto para confirmar o segundo gol do Paris Saint-Germain na vitória por 2 a 0 sobre Amiens na quarta-feira. Adrien Rabiot marcou no lance, mas o relógio do juiz, que normalmente vibra para indicar um gol, não funcionou, e ele teve que consultar o árbitro de vídeo para validá-lo. Outro incidente marcou a vitória do Montpellier por 1 a 0 sobre o Angers, com a tecnologia fazendo o relógio do árbitro vibrar erroneamente.

Didier Quillot, diretor geral da liga, disse que o serviço prestado pelo GoalControl não é confiável nesse momento, e insinuou que as autoridades do futebol francês podem acabar com a parceria. "Vamos analisar o que está disponível no mercado", disse Quillot. "Existem outros fornecedores, não apenas o GoalControl".

Mais conteúdo sobre:
futebol Campeonato Francês de Futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.