Divulgação
Divulgação

Ligas europeias temem troca de data da Copa de 2022

Ao modificar para o período de inverno, a Copa ocorreria justamente no meio do calendário dos campeonatos nacionais da Europa

JAMIL CHADE, Agência Estado

10 de setembro de 2013 | 12h33

GENEBRA - A Copa do Mundo no Catar em 2022 reabre a guerra entre os grandes clubes europeus e a Fifa. Há dois dias, o presidente da Fifa, Joseph Blatter, admitiu que teria sido um "erro" dar o direito ao Catar de sediar a Copa em pleno verão no Oriente Médio e quer que a entidade tome a decisão de modificar a agenda do torneio para o inverno. Mas clubes europeus alertam que querem ser ouvidos e, ontem em Genebra, fizeram um apelo à Fifa para que adie sua decisão.

Tradicionalmente, a Copa ocorre nos meses de junho e julho, verão no hemisfério norte e período de férias aos clubes europeus. Pressionada, a Fifa quer a mudança do evento justamente para o inverno como forma de evitar que jogadores tenham de atuar diante de temperaturas de mais de 40 graus. Uma votação poderia ocorrer já no dia 3 de outubro sobre o assunto.

O problema é que, ao modificar para o período de inverno, a Copa ocorreria justamente no meio do calendário dos campeonatos nacionais da Europa.

Ontem, as maiores ligas do mundo e clubes se uniram para fazer um apelo para que a Fifa não tome essa decisão sozinha e que os times sejam consultados. "Não entendemos porque a pressa da Fifa em tomar a decisão de modificar o calendário da Copa", declarou o presidente da Associação de Clubes Europeus, Karl-Heinz Rummenigge. "Temos nove anos pela frente e acho que precisamos ser mais prudentes", disse.

O que a Europa quer saber é como a Fifa ou o Catar pretendem compensar as ligas europeias pelos prejuizos que terão ao suspender seus torneios pelo meio. "Essa é uma decisão que afeta nossos negócios", disse o ex-jogador alemão. "Se houver uma mudança, clubes, ligas, associações e jogadores tem o direito de serem ouvidos", insistiu. "Vamos fazer um levantamento para saber qual será o impacto financeiro dessa decisão", disse.

Questionado pelo Estado sobre o motivo pelo qual ele acreditava que a Copa deva ocorrer respeitando apenas o calendário e interesses dos clubes europeus, o alemão mudou de tom. "Acho que devemos ter um acordo global", disse. Rummenigge admitiu sua surpresa diante dos comentários de Blatter de que a escolha do Catar teria sido um "erro". "Não acredito que seja um erro. Foi uma decisão política", disse.

Segundo ele, a Fifa já obrigou jogadores a entrarem em campo em Mundiais em situações críticas e, nem por isso, pensaram em mudar a agenda. "Joguei a final da Copa de 1986, ao meio dia e com 40 graus. Fiz até gol, mas perdemos", lembrou o alemão, em referência à final contra a Argentina no México.

Outro problema de uma modificação do calendário seria realizar a Copa no mesmo momento dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2022, o que acabaria afetando os interesses dos patrocinadores.

Tudo o que sabemos sobre:
futinterfutebolCopa de 2022Fifa

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.