Fabrice Cofrinni/AFP
Fabrice Cofrinni/AFP

Ligas nacionais europeias rejeitam jogos da Liga dos Campeões em finais de semana

Embora a decisão da competição seja em um sábado, Uefa alega que não quer atrapalhar torneios locais

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de janeiro de 2019 | 15h50

O principal gestor da organização que representa as ligas nacionais do futebol declarou nesta terça-feira que a sua entidade é contrária à possibilidade de que jogos da Liga dos Campeões da Europa sejam realizada durante os finais de semana.

Christian Seifert, presidente do Fórum das Ligas Mundiais, advertiu em discurso como diretor executivo da Bundesliga, a liga organizadora do Campeonato Alemão, que as competições internacionais de clubes devem respeitar o calendário que lhes reserva os meios de semana para realização dos seus jogos. "O fim de semana pertence às ligas porque elas são a essência do futebol", disse Seifert.

Atualmente, a final da Liga dos Campeões é realizada aos sábados, e a Uefa reiterou nesta terça-feira que ainda não contempla programar outras partidas de sua principal competição nos finais de semana.

Mas Seifert indicou que eles apelarão à Justiça se for ultrapassada a "linha vermelha" e as competições de clubes organizadas por entidades internacionais começarem a ser disputadas nos finais de semana.

A Fifa avalia a possibilidade de alterar o Mundial de Clubes, passando a realizá-lo como um evento-teste para a Copa do Mundo, mas isso não deveria colidir com o período das ligas nacionais da Europa.

Seifert tornou-se presidente do Fórum das Ligas Mundiais em novembro em substituição a Richard Scudamore, que deixou sua posição como presidente da Premier League, que organiza o Campeonato Inglês.

A Uefa enfrenta pedidos constantes dos grandes clubes da Europa para explorar ao máximo a Liga dos Campeões, e partidas nos finais de semana sempre foram consideradas atraentes para a transmissão pela televisão na Ásia e nas Américas.

 

 

Mais conteúdo sobre:
futebolLiga dos Campeões

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.