Liminar garante estréia de Viola no Guarani

Uma liminar na Justiça do Trabalho de Campinas vai garantir a estréia do atacante Viola com a camisa do Guarani no jogo contra o São Caetano, domingo à tarde, no estádio Brinco de Ouro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. O clube, porém, continua em crise com o pedido de demissão do técnico Barbieri. O cargo ainda está vago.Depois da derrota em casa para o Paulista, por 2 a 1, a diretoria do Guarani resolveu fazer de tudo para ter Viola em campo. Por isso mesmo, a advogada Gislaine Nunes conseguiu, nesta quinta-feira, uma medida liminar na Justiça do Trabalho. O jogador, agora, poderá ter seu registro efetivado na Federação Paulista e também na CBF.O caso de Viola é excepcional. No dia 10 de janeiro de 2002, ele assinou contrato com Gazíantespor, filiado à Federação Turca de Futebol, como atleta profissional de futebol, até 31 de maio de 2004. A partir de agosto de 2002, o clube parou de pagar-lhe os salários, além de outras verbas. Em agosto de 2003, o jogador comunicou a situação à FIFA e deixou o time turco. No início de janeiro, Viola assinou contrato de trabalho com o Guarani, que não pode registrá-lo junto à CBF. A entidade não obteve a liberação da FIFA, assim como não obteve qualquer resposta da Federação da Turquia. O caso, agora, será resolvido com esta liminar.Segundo a advogada do clube de Campinas, "não é possível que a legislação de um país estrangeiro, assim como regulamentos de uma entidade privada internacional, a FIFA, impedissem um cidadão brasileiro de trabalhar em seu país. Além de violar a Constituição Federal, o impedimento ao registro do jogador feria a Soberania Nacional".Sem técnico - Neste período sem Viola, o Guarani amargou dois empates e uma derrota, ficando na 8ª posição no grupo 2 do Paulista, com apenas dois pontos. Com o reforço do atacante, Ludemar deve perder o lugar no time titular.Se o caso Viola está definido, o mesmo não acontece quanto à escolha do novo treinador. O presidente do Guarani está no Rio de Janeiro negociando com Oswaldo de Oliveira. Heriberto Cunha e Muricy Ramalho são outros nomes cotados para substituir o demitido Barbieri.

Agencia Estado,

29 de janeiro de 2004 | 18h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.