Liminar garante passe para Juninho

O meia Juninho Pernambucano conseguiu uma liminar na Justiça Trabalhista que lhe garante o passe livre e, portanto, a possibilidade de se transferir para qualquer clube com ou sem a autorização do Vasco. A advogada do jogador, Gisleine Nunes, argumentou que ele não recebeu salários por dois meses, além de direitos trabalhistas. O presidente do Vasco, Eurico Miranda, afirmou que o clube vai recorrer para evitar sua saída sem remuneração. A liminar, obtida por Gislene, alega que o Juninho não recebeu os salários de dezembro e janeiro. O clube também não teria depositado o Fundo de Garantia sobre Tempo de Serviço (FGTS). Além disso, o meia estaria atuando sem vínculo empregatício com o Vasco. "A partir de agora, posso jogar em qualquer lugar", disse Juninho. "Não tenho nada contra o Vasco, apena procurei os meus direitos." Eurico contestou estas informações e criticou Juninho, um dos poucos jogadores que se rebelou contra ele. "Como não tinha vínculo se vinha jogando pelo Vasco?", indagou. "Na cabeça dele está resolvido, porque tem pouca coisa na cabeça." O Vasco vai pedir a cassação da liminar. "Liminar é dada todo o dia", desdenhou o dirigente.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.