Liminar suspende punição a Atlético-MG

O juiz da 6ª Vara Cível da Comarca de Belo Horizonte, Amauri Pinto Ferreira, concedeu nesta quarta-feira liminar suspendo os efeitos da decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), que puniu o Atlético-MG com a perda do mando de campo de três partidas no Campeonato Brasileiro, determinando que elas sejam disputadas fora de Minas Gerais. A liminar se refere apenas ao impedimento de o clube alvinegro mandar seus jogos no Estado. A ação coletiva foi ajuizada pela Associação Mineira de Cronistas Esportivos (AMCE). Na sentença, o juiz determinou que a CBF suspenda o jogo entre Atlético e Criciúma, marcado para o próximo sábado, às 20h30, no Morumbi. Ele determina ainda que a confederação indique, para a mesma data e horário, outro estádio dentro do território mineiro para a realização da partida. Foi fixada multa de R$ 1 milhão pelo não cumprimento da decisão. A associação dos cronistas sustentou na ação que ao marcar o jogo contra o Criciúma para a capital paulista, o departamento técnico da CBF contrariou o regulamento e infringiu o Estatuto do Torcedor. O magistrado considerou que há requisitos legais para a concessão da medida cautelar, tendo em vista a documentação apresentada e os motivos alegados. Afirmou também que Minas tem "plenas condições de fornecer total segurança aos torcedores dos times de futebol envolvidos na partida, profissionais ligados aos clubes e demais participantes". PEDRADAS - O Atlético foi punido pelos incidentes ocorridos na goleada por 5 a 0 sofrida para o São Paulo, no último dia 17, no estádio Independência. Durante o jogo, torcedores atiraram pedras e outros objetos dentro do gramado. Uma pedra atingiu o rosto do zagueiro Fabão, que precisou receber três pontos no queixo. O clube mineiro foi denunciado com base em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD): 211 e o 213. O segundo prevê multa de R$ 50 mil a R$ 500 mil e perda do mando de campo de uma a três partidas. Penalidade que, a princípio, deveria ser cumprida a uma distância mínima de 150 quilômetros de Belo Horizonte. Após o anúncio da liminar, o diretor jurídico do Galo, Roberto Vasconcelos, se apressou em dizer que o clube nada tem haver com a ação impetrada com a AMCE. Destacou ainda que o clube seguirá a determinação da CBF e do próprio tribunal. O Atlético entrou ontem (26) com um recurso no STJD, solicitando revisão da pena e que os dois outros jogos sejam cumpridos em território mineiro. O recurso deverá ser analisado nesta quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.