Dolores Ochoa/AP
Dolores Ochoa/AP

Lionel Messi e seu pai são acusados de fraude no imposto de renda

Valor sonegado, referente aos direitos de imagem do jogador, chegaria a R$ 11 milhões

O Estado de S. Paulo

12 de junho de 2013 | 11h36

SÃO PAULO - O atacante argentino Lionel Messi e seu pai, Jorge Horácio, estão sendo investigados na Espanha por suposta fraude na declaração do imposto de renda do jogador. O valor sonegado chegaria a 4 milhões de euros (cerca de R$ 11 milhões), referentes aos exercícios de 2007, 2008 e 2009.

De acordo com o diário espanhol El País, a estratégia utilizada para fraudar o imposto seria simular a cessão dos direitos de imagem do jogador para empresas sediadas em Belize e no Uruguai e, paralelamente, formalizar acordos de licenciamento, agenciamento e prestação de serviços com outras empresas, instaladas na Suíça e no Reino Unido. Dessa forma, as receitas referentes aos direitos de imagem daquele período praticamente não sofreram tributação do tesouro espanhol.

Para o Ministério Público do país, a iniciativa da fraude teria partido do pai do jogador, que também é seu agente. Em 2005, quando Messi ainda era menor de idade, Jorge Horácio solicitou a uma terceira pessoa que abrisse uma empresa, depois sucedida por outra, "com o único intuito de sonegar impostos".

A acusação da prática dos três delitos contra a Fazenda Pública será julgada pelo tribunal de Gava, em Barcelona. De acordo com o código penal do país, a pena prevista em caso de condenação varia de dois a seis anos de detenção, além de multa que pode chegar a seis vezes a cota de imposto sonegada.

DEFESA

Nesta quarta-feira, o jogador publicou um comunicado em sua página no Facebook em que se diz surpreso com a acusação. O argentino afirma que está acompanhando o desenrolar dos fatos através da imprensa, e que sempre "cumpriu suas obrigações tributárias, seguindo orientações de seus conselheiros fiscais, que se encarregarão de esclarecer esta situação".

Tudo o que sabemos sobre:
futebolfutinterBarcelonaLionel Messi

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.