Lippi adia decisão sobre futuro à frente da Itália

O técnico campeão do mundo, Marcelo Lippi, disse nesta segunda-feira que ainda é cedo para definir se permanece à frente da seleção da Itália. "Minha intenção é ficar, mas é duro pensar no futuro depois de alcançar o objetivo máximo", disse o treinador, que promete conversar nesta terça-feira com o presidente interino da Federação Italiana de Futebol (FIGC), Guido Rossi.Lippi está envolvido indiretamente no escândalo que atingiu o futebol italiano nos últimos meses e pode mandar a Juventus, seu ex-clube, para a Série C1 (terceira divisão). Seu filho Davide trabalha numa empresa de agenciamento de jogadores que pertence a Alessandro Moggi, filho do ex-dirigente da Juventus Luciano Moggi, um dos principais acusados de manipulação na escala de arbitragem e pressão sobre árbitros.Acusado de convocar jogadores sob encomenda para favorecer a empresa do filho, Lippi chegou a deixar a concentração da seleção antes da Copa para prestar depoimento, mas o assunto não foi citado no inquérito principal, que deve ser julgado até quarta-feira. Milan, Lazio e Fiorentina podem cair para a Série B.Sem falar sobre as acusações, Lippi disse apenas que não pensa em aposentadoria, aos 58 anos - chegou a ser cogitado para trabalhar no Manchester United. "Penso em continuar trabalhando, mas é preciso encontrar um jeito de buscar novamente a concentração depois de atingir o pico." Ele disse ainda que, onde quer que trabalhe, levará a seleção italiana de 2006 como modelo. "Quero ter sempre o relacionamento que tive com estes jogadores", declarou.A Itália não tem muito tempo para definir se Lippi fica ou vai embora: no dia 2 de setembro, os tetracampeões do mundo enfrentam a Lituânia, pelas Eliminatórias da Eurocopa de 2008. Quatro dias depois, reencontram a França, a quem derrotaram nos pênaltis neste domingo, na final da Copa, em jogo do Stade de France, em Saint-Denis, pela mesma competição.Antes de voltar a Roma, a seleção da Itália voltou nesta segunda-feira a Duisburg, cidade onde se concentrou durante toda a Copa, conhecida por ter uma das maiores colônias italianas na Alemanha. A volta para Roma estava prevista para a tarde desta segunda-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.