Lippi assume fiasco e pede demissão após eliminação da Itália

Técnico diz que não preparou a seleção no plano psicológico, físico e tático para a Copa

AE, Agência Estado

24 de junho de 2010 | 14h35

Abalado pela eliminação precoce da Itália na primeira fase da Copa do Mundo da África do Sul, Marcello Lippi anunciou oficialmente a sua demissão do cargo de técnico da seleção. O treinador assumiu a culpa pela fracassada campanha do atual campeão mundial na competição.

Veja também:

documento Vittek, o carrasco da Itália

mais imagens GALERIA: Eslováquia 3 x 2 Itália

blog CRÔNICA: Arrividerci, Itália

especial CRONOLOGIA: Copa, dia a dia

tabela TABELA - Jogos | Classificação | Simulador 

"Assumo toda a responsabilidade pelo que aconteceu. Minha equipe estava nervosa e se não tivemos sucesso é porque o técnico não preparou o time de forma correta no plano psicológico, físico e tático, mas sobrtudo no psicológico", afirmou Marcello Lippi.

O técnico lamentou que a sua saída da seleção tenha sido da forma que não havia planejado. "Estou decepcionado pelo esporte italiano, pelos jogadores, por todo mundo. Me aborrece encerrar a minha relação com a federação desta maneira. Não disse que iríamos ganhar o Mundial, mas esperava fazer algo diferente", disse o treinador, comandante da campanha vitoriosa italiana há quatro anos na Alemanha.

Logo após o tetracampeonato mundial, ele pediu demissão, mas retornou à função, depois que a Itália de Roberto Donadoni foi eliminada pela Espanha das quartas de final da Eurocopa de 2008, disputada na Áustria e Suíça. "Não me arrependo em retornar. Era uma experiência que eu queria repetir. Estava convencido que faria coisas diferentes do que ocorreram. Lamento", afirmou Marcello Lippi.

 

 

 

 

 

 

 

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolItáliaEslováquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.