Lippi diz que não fala mais sobre escândalos na Itália

O técnico da Itália, Marcelo Lippi, se recusou nesta quinta-feira a responder perguntas a respeito do escândalo de manipulação de resultados que atinge o futebol no país, e disse, em sua primeira entrevista coletiva na Alemanha, que só falará sobre a seleção e a Copa do Mundo."Respondemos a todos sobre isso nos últimos 15 dias, e decidimos que, aqui na Alemanha, só falaremos sobre jogar futebol", disse Lippi, que é acusado de fazer convocações sob encomenda para valorizar jogadores ligados à empresa na qual trabalha seu filho Davide. Quando um repórter inglês abordou o assunto, ele respondeu asperamente: "Pergunte a seus colegas italianos". Depois, limitou-se a dizer: "A equipe permaneceu sempre calma e serena".Lippi chegou a deixar a concentração de Coverciano, na região de Florença, para prestar depoimento aos promotores que investigam o caso. O mesmo fizeram o goleiro Buffon, acusado de apostas ilegais, e o zagueiro Cannavaro, capitão do time, que teria forçado a diretoria da Inter de Milão a aceitar sua transferência para a Juventus.O técnico e Cannavaro também tiveram de responder às críticas sobre a chegada da equipe, na quarta-feira, em que sobrou proteção policial e faltaram acenos e autógrafos para os torcedores. "Tínhamos um encontro organizado pela Fifa, por isso não pudemos parar", explicou o zagueiro, lembrando que, horas depois da chegada, os jogadores desceram à porta do hotel para dar autógrafos.Segundo Lippi, os torcedores poderão matar a vontade de ver a seleção italiana nesta sexta-feira, quando a equipe fará um jogo-treino contra uma equipe sub-20 de Duisburg. Cerca de 31 mil ingressos foram distribuídos. "Quem quiser vir para nos ver jogar será bem vindo", disse.Nesta melhora e pode jogarO zagueiro Nesta treinou nesta quinta ao lado dos contundidos Zambrotta e Gattuso, que não jogarão na estréia, segunda-feira, contra Gana. Mas sua situação é melhor, e o defensor do Milan pode atuar na partida. "Ele tem mais chances de se recuperar, embora seja uma lesão muscular recorrendo, que o incomodou nos últimos meses", afirmou Marcelo Lippi.Para o treinador, não adianta mais lamentar as contusões, e sim esperar que os jogadores cheguem à véspera do jogo nas melhores condições possíveis. "Você tem que acreditar no grupo, e não ficar chorando por causa de lesões", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.