Lippi diz que situação da Itália não é de pânico

O empate por 1 a 1 com a Nova Zelândia deixou a Itália na segunda colocação do Grupo F, com dois pontos, metade do que tem o líder Paraguai. A equipe chegará à terceira rodada com a obrigação de vencer a Eslováquia para avançar às oitavas de final dependendo apenas de si. Nenhum drama, segundo o técnico Marcelo Lippi.

AE, Agência Estado

20 de junho de 2010 | 14h40

"Estamos em uma situação complicada, mas não de pânico. Teremos que ganhar a próxima partida, mas acho que vamos passar à próxima fase", disse o treinador, campeão mundial com a Itália em 2006, na Alemanha.

Lippi atribuiu à falta de organização do meio-de-campo o tropeço contra os neozelandeses. "Não tivemos muita sorte, mas também não fizemos grandes coisas. Não tivemos lucidez e pagamos por isso. Temos que seguir trabalhando e ganhar o nosso próximo jogo, porque senão voltaremos para casa."

A equipe deverá contar com o retorno do meio-campista Pirlo no confronto com a Eslováquia, na próxima quinta-feira, no Ellis Park, em Johannesburgo. O jogador do Milan se recupera de lesão muscular que o afastou dos dois primeiros jogos e já vem treinando com bola.

Tudo o que sabemos sobre:
Copa 2010futebolItáliaNova Zelândia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.