João Zebral/América-MG
João Zebral/América-MG

Lisca vê o América-MG mais forte e dedica classificação às 'tias da cozinha'

Técnico vibra com vitória sobre o Inter e ressalta a campanha histórica do clube na Copa do Brasil

Redação, Estadão Conteúdo

19 de novembro de 2020 | 08h54

O América-MG segue fazendo história na Copa do Brasil. O time de Belo Horizonte nunca havia passado das oitavas de final e agora já esta nas semifinais ao eliminar Corinthians e Internacional. Para o técnico Lisca, isso é uma confirmação de que a equipe está mais forte no cenário nacional, mesmo estando nesse momento na Série B do Campeonato Brasileiro, e vai lutar por coisas maiores na temporada.

"Sabemos que é um momento muito legal para a torcida do América-MG, para o clube, mas estamos com os pés no chão. Já fizemos história ganhando do Corinthians pela primeira vez em São Paulo, ganhando clássico do Cruzeiro no Mineirão, ganhando do Internacional em Porto Alegre depois de 20 anos, passando para as quartas de final, agora para a semifinal. Porém isso não nos dá nada, não deixa a gente nenhum pouco soberbo. Pelo contrário, nos dá mais força, vibração e energia para nosso time trabalhar cada vez mais", afirmou o treinador.

Lisca fez questão de dedicar a classificação a todos no clube, especialmente quem pouco aparece, mas que é muito importante no dia a dia, como as profissionais da cozinha do América-MG. "Beijão para a tia Ana, perdemos o filho dela numa convulsão social. Tia Ana, essa classificação é para você e para todas as tias do América-MG", disse o treinador.

Com a classificação, a premiação do América-MG na Copa do Brasil já ultrapassa os R$ 17 milhões, quase o triplo do que o clube tinha em vista no orçamento em 2020. "Questão do dinheiro, vamos ver se divide bem, acho que já entrou quase R$ 18 milhões, duas, três cotas da Série B. Tem muitos jogadores despertando interesse. A gente fica muito feliz de poder contribuir com a história do clube", destacou Lisca.

O apoio da torcida foi outro ponto destacado pelo treinador. "Queria agradecer a todos aqui no América-MG que me abraçaram de coração, a torcida, que fez uma festa linda na chegada do time no Independência. No outro jogo também e agora é bater no peito e dizer que tem orgulho de ser América-MG. É uma torcida de pai pra filho, pra avô, pra neto e o América-MG é grande. É muito grande e nós vamos brigar muito ainda nessa Série B", completou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.