Lista para seleção olímpica tem 50 jogadores, diz Jorginho

Sem tempo para preparar a equipee com dificuldades para obter a liberação dos jogadores queatuam no exterior, a comissão técnica da seleção brasileiratrabalha com uma lista de 50 atletas com menos de 23 anos quepodem ser chamados para a Olimpíada de Pequim, de acordo com oauxiliar-técnico Jorginho. "Nós já temos 50 nomes abaixo de 23 anos", disse Jorginhonesta quarta-feira, destacando que o Brasil tem que encaminharà Fifa uma lista prévia de convocados até 30 dias antes dosJogos da China, em agosto. "Temos vários nomes nessa lista,estamos observando todos os jogadores e procuramos ter todas asinformações possíveis", acrescentou. A comissão técnica da seleção se baseia em uma orientaçãoda Fifa que os clubes têm de liberar seus jogadores sub-23 paraa competição, mas a Confederação Brasileira de Futebol (CBF)ainda não sabe quando os atletas estarão à disposição. A seleção olímpica pode não treinar na Granja Comary, emTeresópolis, a exemplo do que aconteceu com a equipe principalantes do fracasso na Copa do Mundo de 2006. "Os (jogadores) abaixo de 23 anos tem que ser liberados eos acima dependerão de uma conversa", destacou Jorginho."Infelizmente não temos um período de treinamento e jogos paraessa equipe. Quando possível vamos reunir esse grupo para criaruma forma de jogar e chegar na Olimpíada um pouco entrosado." O presidente da CBF, Ricardo Teixeira, assumiu a missão denegociar com os clubes europeus a liberação dos jogadoresbrasileiros, principalmente, aqueles com idade acima de 23anos. A comissão técnica ainda não definiu o trio de "veteranos"que disputará os Jogos. Os favoritos são Juan (Roma), Kaká(Milan) e Robinho (Real Madrid). "Não revelamos ainda os três com mais de 23 anos. Não foidefinido ainda... Queremos os três nomes que poderão auxiliar aseleção onde ela tem mais dificuldade", declarou Jorginho,acrescentando que um dos critérios a ser usado será adisposição do próprio jogador em disputar a Olimpíada. O auxiliar-técnico da seleção brasileira afirmou que osatletas a serem chamados terão que estar comprometidos com osonho olímpico. "Os jogadores têm que estar bem e querer chegarao objetivo final. Não basta ter nome... Olimpíada é diferentee tudo é mais simples. Temos que analisar o espírito doatleta", disse o ex-lateral. Jorginho reforçou a opinião do técnico Dunga de que para acomissão técnica a seleção principal é mais importante que aolímpica. "Não sei se o Brasil conquistar a medalha de ouro o paísvai parar, as pessoas vão à rua e se haverá desfile em carro debombeiro. Copa do Mundo com certeza vai acontecer porque émuito mais importante e marcante, mas a Olimpíada também émuito importante", finalizou.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.