Liverpool festeja feito heróico

Agora, Liverpool tem mais heróis, além dos Beatles, para celebrar. Hoje, depois da batalha vencida contra o Milan e o título de campeão de clubes da Europa, os jogadores do Liverpool foram recebidos por uma multidão, calculada em 300 mil pessoas, que acompanhou o desfile em carro aberto que os levou do aeroporto da cidade (o Aeroporto John Lennon, aliás) até o Estádio Anfield, a sede do Liverpool. Ao sairem do avião, o capitão Gerrard e o técnico Rafa Benitez, que carregavam a Copa da Europa, ouviram o canto, os gritos, apitos e sirenes de milhares de fãs. Logo, toda a delegação ficou sabendo das mensagens enviadas pelo primeiro-ministro Tony Blair ("Impressionante, incrível, brilhante. Todo o país está orgulhoso de vocês) e pela Rainha Elizabeth II, que acabara de voltar de uma visita oficial ao Canadá ("Um feito esplêndido, que será lembrado por muitos anos, em Liverpool e no resto do país"). Nos jornais, as manchetes celebravam a conquista: "Os incríveis" (The Sun), "Reis da Europa" (Daily Mail), "O Milagre de Istambul" (The Times), "A maior virada de todos os tempos" (Echo, de Liverpool). Estampavam o sentimento dos torcedores nas ruas. Ray Lewis, 50 anos, dizia: "É um acontecimento histórico. Nunca mais se verá algo como isto". Danny Heussey, estudante, vibrava em cima da capota de um carro: "É absolutamente fantástico. É a melhor sensação do mundo e eu estou feliz por estar vivo e presenciando tudo isto". Eles acenavam enquanto o ônibus, cercado por 20 policiais montados a cavalo, passava. Até torcedores do outro time de Liverpool, o Everton, foram às ruas, o que provocou o comentário bem humorado de Paul Phillips, de 25 anos: "Está me dando alegria, até o pessoal do Everton está aparecendo".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.