OLI SCARFF / AFP
OLI SCARFF / AFP

Liverpool revela rombo nos cofres e estima que prejuízo chegará a R$ 909 milhões

Clube anuncia prejuízo de R$ 348 milhões por causa da pandemia em seu balanço financeiro

Redação, O Estado de S.Paulo

27 de abril de 2021 | 12h03

O Liverpool anunciou nesta terça-feira o balanço financeiro da última temporada e revelou um prejuízo de 46 milhões de libras (R$ 348 milhões) em seus cofres por causa da pandemia do novo coronavírus. O déficit acontece um ano após o campeão inglês registrar lucro de 42 milhões de libras (R$ 318,2 milhões). O anúncio ajuda a entender em parte a motivação da equipe em participar da lucrativa e "restrita" Superliga Europeia, que não existe mais no momento. O clube estima que a perda total de receita causada pela pandemia chegará a 120 milhões de libras (R$ 909,3 milhões).

A suspensão da temporada em março de 2020 e seu retorno a portas fechadas três meses depois foram duros golpes para um clube com uma renda pouco menos diversificada do que os gigantes de Manchester. No mês passado, o proprietário americano da Fenway Sports Group chegou a concordar em vender 10% do clube ao fundo de investimento RedBird Capital por 543 milhões de libras (R$ 4,1 bilhões).

As receitas comerciais (como patrocinadores e merchandising) do time aumentaram 29 milhões de libras (R$ 219,7 milhões), mas não foram capazes de compensar a queda do dinheiro levantado em dias de jogo e direitos televisivos, num total acumulado de 72 milhões de libras (R$ 545,6 milhões). A massa salarial, por sua vez, passou de 310 milhões de libras (R$ 2,3 bilhões) para 325 milhões de libras (R$ 2,4 bilhões).

"Este relatório financeiro, que termina em maio de 2020, começa a mostrar o impacto inicial da pandemia e as reduções significativas em alguns itens de receita", disse o CEO Andy Hughes. O dirigente garantiu, no entanto, que o Liverpool, que se encontrava "numa situação financeira sólida" antes da pandemia, conseguiu "gerir eficazmente os custos para navegar neste período sem precedentes".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.