Phil Noble/Reuters
Phil Noble/Reuters

Liverpool fatura clássico com gol bizarro no fim e segue na cola do líder City

Time de Jurgen Klopp cria durante todo o tempo, mas só consegue balançar as redes nos acréscimos com falha incrível do goleiro Pickford

Estadão Conteúdo

02 Dezembro 2018 | 17h06

Na base da garra e com sorte, o Liverpool conseguiu neste domingo derrotar o Everton por 1 a 0, no estádio Anfield Road, no clássico de Liverpool pela 14.ª rodada do Campeonato Inglês. O gol da vitória aconteceu de forma bizarra, através do atacante Origi, aos 50 minutos do segundo tempo, e manteve o time da casa na cola do líder Manchester City na tabela de classificação.

O resultado positivo colocou o Liverpool com 36 pontos, apenas dois atrás do Manchester City. Ambos estão invictos na competição, sendo que o time comandado pelo técnico espanhol Pep Guardiola fica na frente por ter 12 vitórias e dois empates, contra 11 triunfos e 3 empates da equipe do alemão Jürgen Klopp. Já o Everton segue na sexta colocação com 22 pontos, oito atrás da zona de classificação às competições europeias da próxima temporada.

Esta era a chance de o Everton quebrar um jejum de 17 partidas sem vencer o rival, ainda mais porque o Liverpool vinha de derrota na Liga dos Campeões da Europa, no meio da semana, para o Paris Saint-Germain. A última vitória foi em 2010, no estádio Goodison Park, enquanto que no Anfield Road o último resultado positivo foi apenas em 1999.

O clássico começou, como previsto, de forma quente, com lances de perigo para os dois lados. O zagueiro colombiano Yerry Mina (ex-Palmeiras) quase abriu o placar aos três minutos e a maior chance foi também dos visitantes, que viram uma bola ser tirada em cima da linha. Aos 19, Bernard cruzou pela esquerda, Walcott tocou para o meio da área para André Gomes cabecear e Alisson defendeu à queima-roupa. Só que a bola sobrou e ia entrando quando o zagueiro Joe Gomez tirou em cima da linha e evitou o gol.

O segundo tempo também foi de equilíbrio, mas com o Liverpool com maior posse de bola (60%). Isso fez o Everton tentar a tática de aproveitar os contragolpes, mas a ideia não teve sucesso. O time da casa pressionou e só conseguiu criar as melhores oportunidades nos minutos finais.

Aos 45 minutos, após cobrança de escanteio, Origi cabeceou na trave e, na sequência, o Liverpool reclamou de pênalti pela bola ter batido no braço do meia islandês Sigurdsson. No último minuto dos acréscimos, aos 50, Van Dijk pegou torto na entrada da área e a bola subiu demais. O goleiro Pickford se enrolou na defesa e viu a bola ainda tocar duas vezes no travessão antes de sobrar para Origi, livre na pequena área, cabecear e sair para a comemoração. Até Klopp entrou no gramado e foi festejar com Alisson.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.