Antônio Lúcio
Antônio Lúcio

Livro reúne imagens inéditas da seleção brasileira da Copa de 1958

Material do repórter fotográfico Antônio Lúcio, que durante muitos anos trabalhou no 'Estado', é resgatado pela filha

Antero Greco, O Estado de S.Paulo

27 de março de 2018 | 07h00

Muito comum que tesouros de nossa história adormeçam durante décadas em escaninhos dos mais variados arquivos, sejam federais, estaduais, municipais, de universidades, de empresas ou, o que é frequente, de particulares. Ficam ali à espera de que um explorador os resgate, para felicidade geral da nação e para desgosto das traças, privadas de alimento de primeira. De quebra, adicionam informações novas a episódios ilustres ou obscuros de nossa vida.

Com memórias do Maracanã e de ‘peladas’, Trajano fecha trilogia

O futebol está para ser premiado com um desses achados felizes, bem nos meses que antecedem o 60.º aniversário da primeira das cinco conquistas mundiais da seleção brasileira. Lote de 70 fotos – a maioria inédita – dos preparativos iniciais da amarelinha para a campanha de 1958 na Suécia ganhará a forma de livro a ser publicado às vésperas da Copa na Rússia.

O presente para quem curte esportes se deve à garimpagem da jornalista Sílvia Herrera, filha de Antônio Lúcio, fotógrafo de olhar sensível e dedos ágeis que durante muito tempo brilhou nas páginas do Estado. Anos atrás, depois que o pai morrera, ficou com caixas de negativos que ele colecionara durante a carreira. Como acontece com material do gênero, quando herdeiros não sabem o que fazer, tinha tudo para, cedo ou tarde, transformar-se em sucata e ser doado para reciclagem. Ou ser destinado ao lixo.

A sensibilidade e a curiosidade de Sílvia, além do respeito pela obra de Lúcio, a levaram a vasculhar as pilhas de negativos. Até se deparar com uma série diferente de fotos, com personagens que pareciam da seleção. A revelação confirmou a expectativa: era registros da reunião do grupo convocado por Vicente Feola para concentração e treinos em Poços de Caldas, no início de 1958. Lúcio fora enviado pelo jornal para acompanhar a aventura. 

Sílvia empolgou-se com a ideia de apresentar o tesouro para o público e me procurou, ainda antes da Copa de 2014, para dar uma mão no projeto. Topei na hora, embora minha colaboração tenha se limitado a textos de abertura, a resumo daquele Mundial e às legendas. E só, pois as estrelas são as obras-primas clicadas por Lúcio, em Seleção nunca vista, o livro que ficou no forno nesse tempo todo.

As fotos, em preto e branco, mostram jogadores consagrados, como Pepe, Zito, Gylmar, Didi e outros, compenetrados numa programação até então inédita para a seleção, com a liderança de Paulo Machado de Carvalho. Ao lados dele, o jovenzinho Pelé, que voltaria da Europa consagrado como o Rei do Futebol. Um marco no Brasil, que Lúcio fixou em imagens.

Na boa? Você vai gostar de ver.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.