Lojistas fazem festa com o Atlético-PR

Não é o colorido da primeira conquista em 2001, mas aos poucos a cidade de Curitiba está sendo pintada de vermelho e preto, as cores do Atlético Paranaense, que pode conquistar seu segundo título nacional no próximo domingo. Quem agradece são os vendedores de camisas e bandeiras, sobretudo os que têm os produtos oficiais do clube. A expectativa de todos é que uma vitória no domingo possa elevar as vendas aos mesmos patamares do ano do primeiro título.Os ambulantes que estendem as camisas "piratas" nas proximidades da Arena da Baixada, reclamam que as vendas ainda estão fracas, apesar do preço cerca de 80% menor que os produtos oficiais. "O Atlético vai vencer domingo e aí sim esperamos vender bem", diz uma vendedora, que prefere não se identificar, temendo represália por não oferecer produtos oficiais. "No próximo ano vou ter só camisas licenciadas", promete.Na Arena Store, que funciona no mesmo complexo do estádio do Atlético, a vendedora Kátia Ferrari não esconde o entusiasmo. Segundo ela, na primeira fase do campeonato as vendas não iam bem, mas, a partir da invencibilidade por 18 rodadas e a perspectiva do título, tudo melhorou. "Faz tempo que as pessoas vêm comprar camisa e pedem com duas estrelas", diz. Mas a fábrica ainda não as colocou no mercado. Com a proximidade do Natal, os clientes não se contentam em levar apenas um produto. "É difícil comprar para apenas uma pessoa", constata Kátia.Uma camisa oficial custa cerca de R$ 115,00.Na Fanel Sports, o vendedor Júnior César diz que a procura por produtos vermelho e preto aumentou há cinco rodadas. Na Janjão Artigos Esportivos, o calção com o emblema do clube não existe mais. "A fábrica não tem para entrega", lamenta o vendedor Sandro Gonçalves. Segundo ele, a tendência é um aumento nas vendas para a próxima semana, principalmente se houver um resultado positivo no domingo. Mas ele não tem do que reclamar. "Esta semana já está vendendo mais", diz.Procurando não se deixar contagiar pelo otimismo exagerado, os jogadores fizeram nesta quarta-feira os primeiros trabalhos com bola visando à partida contra o Vasco. Mas tudo distante dos jornalistas, que comentam apenas as hipóteses de formação da equipe. A presença de Fernandinho no meio, fazendo a função de Jadson, suspenso, e Raulen entrando na ala direita é uma das opções. A outra é a simples entrada do zagueiro Fabiano, ficando Raulen de fora.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.