Londrina tenta arrecadar 980 mil latinhas

A diretoria do Londrina Esporte Clube (LEC), conhecido como Tubarão, está lançando uma campanha para arrecadar pelo menos 980 mil latinhas de alumínio. O objetivo é saldar uma dívida de R$ 50 mil imposta pelo Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD), exatamente em razão de uma latinha jogada no gramado do Estádio Vitorino Gonçalves Dias no dia 16 de fevereiro, quando o time venceu o Esportivo, de Bento Gonçalves (RS), por 2 a 0. Apesar da vitória, o Londrina foi rebaixado para a Série C. O presidente do LEC, Agostinho Garrote, fez uma parceria com um ferro-velho da cidade que está preparando tambores fechados para serem colocados em vários locais da cidade. Um já está no estádio. Neles, o conselho: "Não jogue latinha no campo. Jogue aqui e ajude o Tubarão a pagar R$ 50 mil por uma latinha". Garrote está tentando parcelar a dívida com a Confederação Brasileira de Futebol (CBF) em 25 prestações, o que representaria cerca de 40 mil latas por mês. No entanto, ele destaca o valor pedagógico da medida incentivando a coleta seletiva das latinhas e, ao mesmo tempo, conscientizando os torcedores para que não voltem a arremessar objetos no campo. "Por isso, optamos pelo objeto que ocasionou a pena", justifica. "Embora 90% dos clubes brasileiros já estejam ?catando latinha? para sobreviver", brinca. A previsão é que no início da próxima semana os tambores já estejam distribuídos pela cidade. Em Londrina, o quilo de latas de alumínio - cerca de 70 unidades - é vendido por cerca de R$ 3,60. Garrote espera que os torcedores sejam motivados e que sobre dinheiro para ajudar a montar o time que disputará a Série C a partir de agosto.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.