Paulo Whitaker/Reuters
Paulo Whitaker/Reuters

Longe do líder Palmeiras, Grêmio muda foco para obter vaga direta na Libertadores

Faltando nove rodadas, o time gaúcho está agora oito pontos atrás do líder

Estadão Conteúdo

15 Outubro 2018 | 12h30

O Grêmio mudou o foco no Campeonato Brasileiro após a derrota para o Palmeiras por 2 a 0, no último domingo, em São Paulo. Faltando nove rodadas, o time gaúcho está agora oito pontos atrás do líder (59 a 51), o próprio rival alviverde, e alterou a sua meta para o final da competição nacional: uma vaga direta na fase de grupos da Copa Libertadores de 2019.

Para não precisar jogar fases eliminatórias do torneio continental, o Grêmio precisa terminar o Brasileirão entre os quatro primeiros colocados - atualmente está em quinto, um ponto atrás do São Paulo. Outra opção será conquistar o título da Libertadores deste ano, onde está nas semifinais contra o River Plate, da Argentina - os jogos serão nos próximos dias 23 e 30.

"Não é que a gente não sonha, mas temos que ser realistas. Ficou mais difícil, vai afunilando, faltam nove rodadas, fica mais difícil. A nossa ideia é sempre pensar em termos de título. Mas nunca esquecendo que temos que chegar no mínimo entre os quatro para se garantir na Libertadores direto no ano que vem", admitiu o técnico Renato Gaúcho.

Para ajudar, o Grêmio ainda terá confrontos diretos nesta reta final do Brasileirão. O time jogará contra o São Paulo, no estádio do Morumbi, na capital paulista, contra o Atlético Mineiro (sexto colocado), em Belo Horizonte, e contra o Flamengo (terceiro), no estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro.

De folga nesta segunda-feira, os jogadores do Grêmio voltarão aos treinos nesta terça no CT Luiz Carvalho, em Porto Alegre. O próximo compromisso será no sábado contra o América-MG, em Belo Horizonte. O objetivo da comissão técnica é recuperar o goleiro Marcelo Grohe, o lateral-direito Léo Moura, o lateral-esquerdo Cortez, o meia Ramiro e o atacante Everton, todos lesionados. E Luan, com fascite plantar no pé direito, é a nova preocupação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.