Lopes tenta melhorar passe do Corinthians

O técnico do Corinthians, Antônio Lopes, não teve receio em colocar o milionário elenco para treinar hoje um dos fundamentos básicos do futebol: o passe. Foi quase uma obsessão. Toda a movimentação realizada no Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, onde a equipe enfrenta o Fluminense, amanhã, às 21h50, esteve voltada para o setor defensivo do time paulista, tanto que os atacantes Nilmar e Tevez ficaram parados no ataque recolhendo as bolas ?espirradas? do treino. A única mudança, por opção tática, foi a entrada no meio de Bruno Otávio no lugar de Fabrício. ?Não, não pode errar?, ?perdeu aí, já era?, ?presta atenção com os espaços?, foram os gritos de Lopes para os jogadores durante a movimentação tática. Ao final do treino, o treinador explicou que ficou preocupado com o excesso de passes errados na vitória, por 3 a 2, contra o Brasiliense e, por isso, optou por tentar resolver o problema de imediato. ?No futebol, quem errar mais de 10% do passe, como fizemos contra o Brasiliense, está ferrado?, enfatizou Lopes. ?O passe é o elemento principal do jogo. Se errar esse fundamento vai correr atrás da bola o tempo inteiro e não vai fazer mais nada em campo.? Ao final da movimentação, Lopes ficou por aproximadamente dez minutos conversando reservadamente com Marinho, Marcelo Mattos e Betão, que retorna ao time. O treinador explicou que tentou reforçar com os atletas a necessidade de diminuir os espaços dos jogadores do Fluminense e explorar os contra-ataques. Lopes também não se importou em falar sobre a ausência de Petkovic no meio-de-campo do Fluminense. Por já ter trabalhado com o sérvio, o treinador destacou suas qualidades, tanto que festejou sua ausência. Ele lembrou que o Corinthians também tem atletas de excelente nível, como o meia Roger, além dos atacantes Nilmar e Tevez. De volta ao time após cumprir suspensão, Betão não se mostrou incomodado com a atividade específica na véspera do jogo. Destacou ainda que era necessário para o time não repetir os erros cometidos contra a equipe do Distrito Federal. ?Ele (Lopes) nos pediu para não deixarmos os jogadores do Fluminense pararem a bola e pensarem no que vão fazer como, por exemplo, o Felipe sempre faz?, contou Betão. ?E, estamos conscientes, principalmente, que hoje o Fluminense não depende de um só jogador. É uma equipe onde todos atacam e defendem.?

Agencia Estado,

04 de outubro de 2005 | 19h13

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.