Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians
Daniel Augusto Jr/Ag. Corinthians

Loss admite priorizar mata-mata e fala sobre VAR em jogo do Corinthians

Treinador diz que Brasileirão, por ser mais extenso, pode permitir ao treinador 'poupar' elenco

O Estado de S. Paulo

31 de julho de 2018 | 20h15

No discurso, o Corinthians entra com força máxima tanto no Campeonato Brasileiro quanto na Copa do Brasil, competição pela qual joga nesta quarta-feira, às 21h45, contra a Chapecoense, pelas quartas de final. Porém, se a coisa apertar, o técnico Osmar Loss já sabe qual torneio receberá atenção especial nas próximas semanas.

+ Com duas dúvidas, Corinthians encerra preparação para jogo com a Chape

+ Inspirado em Romero, Araos quer estrear logo: 'Sou mais um louco'

+ Corinthians fecha primeiro semestre de 2018 no vermelho

"Eu não sei se a palavra é priorizar. Não vamos deixar o Brasileirão de lado. O que talvez possa ocorrer é que se tivermos a necessidade por inúmeras questões, a gente possa optar por poupar no Brasileiro porque é mais longo. Não tem como descansar jogador no mata-mata. Vamos controlar para que não tenham lesões graves", comentou, em entrevista concedida após o treino desta terça-feira.

Até para não precisar fazer a difícil escolha, Loss espera ver a equipe encaminhar a classificação à semifinal da Copa do Brasil já neste primeiro encontro com os catarinenses.

"Mata-mata é diferente. Temos uma primeira etapa que pode encaminhar a vaga, dar um passo importante", afirmou.

Vale lembrar que, além das duas competições nacionais, o Corinthians ainda segue vivo na Libertadores. A equipe vai até o Chile visitar o Colo-Colo em 8 de agosto. O segundo jogo das oitavas de final está marcado para o dia 29, na arena corintiana.

VAR. Questionado sobre a estreia do árbitro de vídeo em larga escala no futebol brasileiro, o treinador elogiou a possibilidade de contar com o recurso tencológico a partir das quartas de final da Copa do Brasil. Antes, o VAR só havia sido utilizado em jogos pontuais no País. Agora, estará presente nas 14 partidas do torneio nacional.

"Minha expectativa é que o jogo fique mais solto, já que depois eles podem revisar. A gente precisa ter intensidade, acreditar em todas as bolas, não diminuir o foco. Se depois tiver que ser feita uma revisão, que seja feita", analisou Loss. "Você minimiza erros, deixa mais justo. Conversamos com os atletas e vamos bater nessa tecla porque é uma novidade. Até nós, da comissão técnica, precisamos entender quando o VAR será utilizado. Para não ficar aquela coisa chata de todo mundo ficar incomodando a todo momento. O árbitro também sua capacidade de decisão que tem que ser levada em conta", concluiu.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.