Fabio Motta/Estadão
Fabio Motta/Estadão

Loss diz que 'trabalhar com vitórias é muito melhor', mas evita falar em pressão

Técnico acumula três derrotas em quatro jogos no comando do Corinthians

Marcio Dolzan/Rio, O Estado de S.Paulo

04 Junho 2018 | 07h00

Mesmo após sofrer a terceira derrota em quatro jogos como técnico do Corinthians, Osmar Loss parece não se sentir pressionado no cargo. O treinador apareceu tranquilo para a entrevista coletiva - que durou apenas sete minutos - após o jogo no qual o seu time foi batido pelo Flamengo por 1 a 0, no último domingo, no Maracanã, e disse que questões sobre o peso das derrotas em sua sequência de trabalho devem ser direcionadas à diretoria, e não a ele.

+ Apesar de derrota, Loss diz que Corinthians conseguiu 'se impor'

+ Após se sentir mal, dirigente do Corinthians passa por cateterismo

"Efetivamente eu não sei quanto (a derrota) pode atrapalhar. Trabalhar com vitórias é muito melhor, mas essa pergunta, se é que tem que ser feita, tem que ser feita à diretoria do clube", considerou Osmar Loss.

Para ele, a maior preocupação é dentro de campo. "Todas as derrotas não são legais. A gente veio aqui e enfrentou com boas condições o Flamengo, que é o líder do campeonato. Vitórias aumentam a confiança, ajudam a gente a escolher melhor e ver as coisas que estão dando certas. Muitas vezes o desempenho é bom, mas o resultado não vem. Em relação a temor ou insatisfação, não. Estou muito satisfeito com o desempenho dos atletas", insistiu o treinador. "Mas no sentido de desempenho, é óbvio que pesa".

Na quarta-feira, às 21 horas, em sua arena, o Corinthians tem um clássico paulista diante do Santos, que está próximo da zona de rebaixamento, em confronto válido pela décima rodada do Campeonato Brasileiro. Questionado sobre o quanto a situação do adversário na tabela pode influir dentro de campo, Loss desconversou. "O Santos tem que cuidar dele. A gente vai estar muito bem preparado para enfrentá-lo", comentou o técnico.

Mais conteúdo sobre:
Corinthians Osmar Loss futebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.