Paulo Whitaker / Reuters
Paulo Whitaker / Reuters

Loss se diz orgulhoso da entrega dos jogadores corintianos e critica árbitro

Técnico diz que Néstor Pitana poderia ter controlado cera do Colo Colo; Cássio afirma que equipe pode almejar coisas grandes

Estadão Conteúdo

30 Agosto 2018 | 11h00

Apesar da eliminação na Libertadores do Corinthians com a vitória insuficiente por 2 a 1 (o jogo de ida foi 1 a 0 para o Colo-Colo), o técnico Osmar Loss elogiou a atuação da equipe, principalmente do ponto de vista ofensivo. Por outro lado, criticou a arbitragem de Nestor Pitana, argentino que atuou na abertura e na final da Copa da Rússia.

“Quem tem que controlar a catimba é a arbitragem. Acho que o Pitana (Nestor Pitana, árbitro argentino) foi conivente com a cera do Orion. Acho que não seria nada fora do normal se ele tivesse dado 10 minutos de acréscimo (foram dados sete minutos no segundo tempo). Não estou dizendo que faríamos o gol. Não acho que a catimba tenha influenciado no nosso rendimento, não... Fizemos uma das nossa melhores partidas jogando ofensivamente", disse Loss.

O Corinthians teve um início de jogo excelente, mas não demos espaços para o meia Valdivia e só conseguiu se recuperar no jogo no segundo tempo. “A gente teve o volume de jogo que precisava para fazer o resultado para classificar. Infelizmente, sofremos um gol. Mas poderíamos ter feito o terceiro. São questões que deixam a gente frustrado, mas orgulhoso de ver o que a equipe fez dentro de campo", afirmou o técnico.

Com a queda na Libertadores, o Corinthians ainda tem dois torneios para disputar. Sábado, o time enfrenta o Atlético-MG, novamente na Arena, pelo Campeonato Brasileiro. O desafio é tirar a diferença para o líder São Paulo (45 a 29). No momento, o time tem de se aproximar da zona de classificação à Libertadores. Na Copa do Brasil, o Corinthians é semifinalista e disputa uma vaga na final com o Flamengo a partir do dia 12 de setembro, o primeiro jogo é no Maracanã. O torneio se transformou na prioridade do clube na temporada.

“A gente tem um time novo, crescendo, mas todos ficaram chateados. Com as vitórias se aprende, com as derrotas também. Todos chegaram exaustos no vestiário, pela total dedicação. Se a gente continuar nesse nível, nessa entrega, podemos almejar coisas grandes pela frente", completou Cássio.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.