Axel Schmidt/Reuters
Axel Schmidt/Reuters

Löw quer que Alemanha pense em vencer e ignore duelo entre Suécia e México

Técnico pede que seus comandados estejam focados na própria partida e façam o resultado que precisam

Estadão Conteúdo

26 Junho 2018 | 14h42

O técnico Joachim Löw afirmou que a preocupação da Alemanha estará na partida contra a Coreia do Sul, a partir das 11 horas (de Brasília) desta quarta-feira, em Kazan. Uma vitória por dois gols de diferença classifica a equipe para a próxima fase da Copa do Mundo, mas triunfo por margem mínima ou empate pode sujeitar a definição das vagas ao critério disciplinar ou sorteio.

+ Técnico sul-coreano admite superioridade da Alemanha, mas crê em triunfo e vaga

+ Cahill atua por menos de 45 minutos e perde chance de marcar pela 4ª Copa seguida

+ Técnico da Suíça diz que comemorações polêmicas ficaram no passado: 'Só futebol'

"Serei informado sobre o placar entre México e Suécia e vamos tentar ajustar algo, se necessário. Mas temos de ter clareza com nosso próprio resultado. Temos de ganhar, se possível, por dois gols de diferença. Cabe ao nosso próprio desempenho e precisamos fazer tudo o que pudermos para depender só da gente", disse o treinador em coletiva de imprensa nesta terça-feira, em Kazan.

O estilo veloz da equipe adversária preocupa Löw, que viu a Alemanha sofrer gols de Suécia e México em contra-ataques. "Nós falamos sobre isso várias vezes. Não tem a ver só com a defesa. Fomos bem melhores em evitar a transição da seleção sueca do que da mexicana. Esse é o forte da Coreia do Sul, os jogadores deles amam fazer isso. Não podemos permitir perdas tolas de posse de bola", analisou o técnico.

Löw revelou o contraste do clima no vestiário alemão após as partidas da Alemanha no Mundial. Se a tristeza tomou conta dos jogadores por causa da derrota por 1 a 0 para o México, no dia 17, no Estádio Luzhniki, em Moscou, o sentimento foi misto após a vitória de virada sobre a Suécia, por 2 a 1, no sábado, em Sochi.

 

"Depois de perder para o México, todo mundo sabia que a situação era tensa. Após vencer a Suécia, os jogadores mostraram alegria e alívio. Mas não foi felicidade plena, porque o dia seguinte foi de trabalho. A equipe reconheceu que foi um pequeno passo rumo às oitavas de final e que temos de vencer a Coreia do Sul", explicou o alemão.

Sobre a opção de não usar o meio-campista Sebastián Rudy na próxima partida, o técnico acredita que foi a melhor decisão. O jogador quebrou o nariz no duelo contra a Suécia e cogitou-se que ele usasse uma máscara protetora já no duelo contra a Coreia do Sul. "Seria dois ou três dias mais cedo do que o ideal", afirmou.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.