Érico Leonan | saopaulofc.net
Érico Leonan | saopaulofc.net

Lucas Pratto admite toque na bola no gol de Jô e critica arbitragem

Atacante do São Paulo também comenta briga entre Palmeiras e Peñarol e cutuca Felipe Melo: 'Está em todos os problemas'

Nathalia Garcia, O Estado de S. Paulo

27 de abril de 2017 | 12h48

Após a polêmica envolvendo o gol de Jô no clássico entre Corinthians e São Paulo, o argentino Lucas Pratto admitiu nesta quinta-feira ter encostado na bola no lance que originou o gol alvinegro no empate por 1 a 1 que sacramentou a eliminação tricolor nas semifinais do Campeonato Paulista. O atacante corintiano estava em posição de impedimento, mas o árbitro Flávio Rodrigues da Silva validou a jogada pelo toque do são-paulino.

"Toquei a bola, mas o jogador estava impedido quando saiu a bola. Não se transforma em uma segunda jogada. Quem sabe o regulamento, sabe que o jogador estava impedido quando sai a bola, se outro toca, não se transforma em segunda jogada. A bola tocou e seguiu a mesma jogada que a anterior", justificou.

Incomodado, Pratto também criticou a postura arbitragem e pediu mais atenção. "As pessoas que estão no comando, seja da CBF, seja da arbitragem, tem de ter um pouco mais de atenção. Eles podem errar, como todo mundo erra, mas deixar a responsabilidade para o jogador quando eles erram não é legal. A gente quando erra, assume a responsabilidade. Falei antes que a gente toma muito gol de bola parada, ninguém me ouviu falar de impedimento. Mas o juiz e a comissão de arbitragem tem de saber que eles também têm de melhorar e muito."

Diante da briga generalizada entre o Palmeiras e o Peñarol, no Uruguai, pela Copa Libertadores, o atacante ressaltou a rivalidade dos uruguaios com argentinos e brasileiros e destacou as provocações como combustível para a confusão, citando Felipe Melo. Em sua chegada ao time alviverde, em janeiro, o volante declarou: "Se tiver de dar tapa na cara de uruguaio, vou dar".

"Às vezes, um jogador provoca o outro. Felipe ultimamente está em todos os problemas, né? São coisas de jogo, tem de tentar não brigar, na América do Sul tem muita violência, insegurança nos países. Isso (a briga) passou depois para as torcidas do Peñarol e do Palmeiras, acho que se você é violento dentro do jogo pode ir pra fora, mas também é uma questão de rivalidade, uruguaios com argentinos, times uruguaios com brasileiros têm rivalidade especial."

E relembra o clima quente da partida de ida, em 12 de abril, no Allianz Parque. "Primeiro jogo aqui tinha finalizado mais ou menos mal, acho que por isso o Palmeiras levou muitos seguranças pra lá. Tinha mais segurança do que o normal. É tentar não brigar dentro do jogo, esporte é um espetáculo, às vezes são situações que ficam fora de controle."

 

Tudo o que sabemos sobre:
São Paulo FCFutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.