Wilton Junior/Estadão
Wilton Junior/Estadão

Luciano celebra fase e exalta esquema ofensivo de Diniz no Fluminense

Atacante já marcou mais gols pelo clube este ano do que nos seis meses de 2018

Redação, Estadão Conteúdo

08 de março de 2019 | 16h59

Vice-campeão da Taça Guanabara, classificado à terceira fase da Copa do Brasil e vice-líder do Grupo B da Taça Rio, o Fluminense tem em seu setor ofensivo o principal motivo deste bom início de ano. Em 12 partidas até o momento, foram 24 gols marcados, sendo seis dos pés de Luciano. Em boa fase, o jogador já marcou mais gols pelo clube este ano do que nos seis meses que vestiu a camisa tricolor em 2018.

"Graças a deus, está acontecendo. A gente trabalha para isso. Claro que tem muito o que melhorar, mas todos estão juntos, a gente corre junto um pelo outro e todos têm se destacado. A gente espera se destacar mais ainda até o fim da temporada", declarou nesta sexta-feira o jogador, que marcou cinco vezes em 24 partidas no ano passado.

Se vive bom momento, Luciano sabe que deve muito a Fernando Diniz. Afinal, o esquema ofensivo implementado pelo treinador tem permitido que o trio de ataque - que conta também com Everaldo e Yony González - seja o grande destaque do Fluminense na temporada.

"O esquema que o Diniz está colocando para jogar me ajuda bastante, não só a mim, como a todos. Ele pede para quem está do meio para frente entrar mais na área, com movimentação, para facilitar. E estar sempre perto do gol para quando sobrar a bola, a gente aproveitar", comentou.

O atacante agora espera que a boa fase seja mantida no duelo diante da Cabofriense, domingo, no Maracanã, pela terceira rodada da Taça Rio. "Será uma decisão a mais. Sabemos que eles têm uma grande equipe, o grupo deles é de qualidade e vamos respeitar isso, mas vamos jogar e tentar nos impor ao máximo. O Diniz sempre fala que o próximo jogo é o mais importante e espero que a gente possa se impor e conquistar os três pontos."

Mais conteúdo sobre:
Fluminensefutebol

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.