Divulgação/Fluminense
Divulgação/Fluminense

Luciano celebra fim de jejum e diz que pode fazer função diferente no Fluminense

Atacante, que marcou contra a Portuguesa-RJ, não balançava as redes desde o dia 31 de outubro

Redação, O Estado de S.Paulo

29 de janeiro de 2019 | 16h12

O terceiro gol do Fluminense na vitória por 3 a 1 sobre a Portuguesa, domingo, no Maracanã, pela Taça Guanabara, foi especial para Luciano, que tirou um peso dos ombros. Afinal, o atacante não marcava desde 31 de outubro, conseguindo encerrar um jejum que estava em seu 12º jogo. Satisfeito, ele espera que o gol o impulsione na briga por espaço no setor ofensivo do time das Laranjeiras.


"Atacante sempre gosta de marcar. Fazia tempo que não fazia o meu, estava esperando esse para, enfim, a porteira abrir. Temos grandes jogadores no banco, tem o Pedro que ainda vai voltar. Isso é bom para o treinador, uma dor de cabeça boa a mais para ele. Não tenho nem o que dizer do Yony, está nos ajudando bastante. Espero que continue nos ajudando, fazendo gols", disse, em entrevista coletiva nesta terça-feira.

Luciano vem sendo o centroavante titular do Fluminense neste início de temporada, um cenário que poderá se alterar quando Pedro, em fase final de recuperação de lesão, estiver novamente à disposição do técnico Fernando Diniz. Conhecedor da concorrência, ele destaca que pode exercer outras funções no setor ofensivo.


"Joguei nesta posição mais aberto e para mim não faz tanta diferença. O importante é estar ajudando a equipe aonde o professor precisar me colocar, vou sempre estar à disposição para ajudar. Me sinto bem ali, me sinto bem de 9 e por enquanto, está dando certo assim, espero que dê certo por muito tempo", afirmou.


O Fluminense vai enfrentar nesta quarta-feira o Madureira, no Maracanã, e depois encerrará sua participação na fase classificatória da Taça Guanabara em clássico com o Vasco, sábado, no Mané Garrincha. Pelo peso do confronto de sábado, Fernando Diniz pode poupar alguns jogadores neste meio de semana.


"Estamos pensando em um jogo de cada vez. Temos um jogo difícil amanhã, não sabemos quem vai jogar, o professor deve definir isso amanhã. Estamos tranquilos, depois descansamos e pensamos no sábado. Claro que são viagens longas, tem jogadores que correm mais em campo e se desgastam mais, mas isso a gente deixa para a comissão técnica resolver", comentou Luciano.

 

 

Mais conteúdo sobre:
futebolFluminense

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.