Arquivo/AE
Arquivo/AE

Lúcio critica conduta do técnico do Bayern, Louis Van Gaal

'Essa despedida foi desrespeitosa', diz o zagueiro, que sequer conversou com o técnico holandês

EFE

23 de julho de 2009 | 09h48

O zagueiro e capitão da seleção brasileira Lúcio, da Inter de Milão, criticou nesta quinta-feira a "falta de respeito" demonstrada pela direção do Bayern de Munique e por seu técnico, Louis Van Gaal, durante as negociações de sua transferência para o clube italiano.

Veja também:

especialMercado: as transferências dos times

especialDê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"É normal que cada treinador tenha suas próprias ideias, mas essa despedida foi desrespeitosa. Simplesmente acho que tinha ganhado um pouco mais de respeito. Teria gostado se o treinador tivesse falado comigo antes de decidir", afirma o jogador em entrevista à revista esportiva alemã Kicker.

Lúcio fechou contrato para jogar as três próximas temporadas pelo clube italiano. Segundo veículos de imprensa, o acordo estaria cifrado em sete milhões de euros (R$ 18,9 milhões).

Após assumir seu cargo, o novo treinador do Bayern apontou desde o início para uma possível saída do brasileiro ao alegar que o zagueiro não estava em seus planos para a equipe.

"Aceito a decisão do treinador, que não contava comigo. Também não tenho nenhum problema com esta mudança, mas acho que a forma como foi feita não foi correta. Houve muito estresse nas últimas semanas e isso não foi bom", diz Lúcio.

O jogador acrescentou que se sente "um pouco triste" por deixar o clube de Munique, com o qual ganhou vários títulos, mas afirmou que "o negócio do futebol é assim".

"Sou campeão do mundo, ganhei duas vezes a Copa das Confederações e me elegeram como melhor zagueiro do Campeonato Alemão. Não preciso mostrar que tenho qualidade", sustenta o capitão da seleção, que não chegou a treinar sob o comando de Van Gaal depois das férias de verão.

Aos 31 anos, Lúcio espera que "tudo corra bem" na Inter para poder se aposentar depois de sua passagem pela Itália.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.