Lúcio pronto para o jogo de sua vida

?Vou fazer da camisa do Palmeiras minha segunda pele?. A frase, imortalizada por Marcelinho Carioca na época em que defendia o Corinthians, foi revivida ontem por Lúcio. O lateral, que se recuperou de uma contusão no tornozelo esquerdo, garante que chegou a hora de o trabalho desenvolvido ao longo do ano ser recompensado."Finalmente, o momento está chegando. Quero resolver tudo de uma vez por todas. Eu senti na pele as complicações que enfrentamos para chegar até aqui. Vestir essa camisa não é para qualquer um, é a segunda pele. O jogo contra o Marília será o mais importante da vida."Lúcio relembrou da desconfiança da torcida em relação, não só ao seu futebol, como também ao de outros reforços que o clube trouxe para disputar a Série B. "Eu lembro que a torcida vivia pedindo nomes de peso. E agora, passados seis meses, já se fala sobre a possibilidade de minha permanência aqui em 2004. Não é ainda hora de falar sobre isso. Antes, temos uma partida especial."O lateral lembrou que, contando com a força da torcida, o Palmeiras deve se impor diante do MAC. "O comportamento deve ser parecido ao da partida contra o Sport, quando vencemos por 1 a 0 e ficamos no ataque praticamente os 90 minutos. Essa vantagem não pode ser desprezada."A concentração para o jogo também não será como as outras. Lúcio garante que, às 16 horas de amanhã, estará na frente da TV torcendo para o Botafogo não perder para o Sport, resultado que, combinado com uma vitória palmeirense, conduzirá a equipe à Série A. "Garanto que vou ficar secando o Sport", Lúcio não esquece da infância passada em Recife, quando costumava freqüentar os estádios nas partidas do rival Santa Cruz. "Quero o melhor para o Palmeiras."Lúcio teme principalmente a velocidade do Marília, arma pouco utilizada pelo time do interior no confronto do último sábado, em Marília. "O Basílio preocupa demais, sabe puxar os contra-ataques com competência, mas o Palmeiras tem que impor seu jogo, fazer a bola rolar para chegar ao gol."O lateral também abordou a possibilidade de a partida diante do clube pernambucano, domingo, dia 23, ser realizada na cidade de Serra Talhada, embora a Federação Pernambucana de Futebol garanta que ocorrerá em Garanhuns. "Tomara que não seja em Serra Talhada. O calor lá é insuportável, e o estado do gramado é ruim, a bola quica mais ainda do que no estádio do Marília."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.