Lúcio tinha 3 contratos com o Santos

Terminou o depoimento do presidente da comissão de sindicância do Santos Futebol Clube, Leão Vidal Sion, na CPI do Futebol, no Senado. Ele disse que o jogador Lúcio, hoje na Portuguesa de Desportos, ao ser contratado pelo Santos, tinha três contratos, com datas diferentes. "Um desses contratos está assinado pelo empresário Vando de Melo". Os dois outros contratos assinados pelo jogador tinham uma diferença de R$ 80 mil. "A explicação que a diretoria deu à Comissão de Sindicância foi que o jogador se machucou e lhe foi oferecido um prêmio de 80 mil reais se ele voltasse a jogar futebol", afirmou Sion. Sion lamentou as "estratégias procrastinatórias" que estão sendo adotadas pelo ex-presidente do clube, Samir Adbul-Hak, para que a comissão conclua seus trabalhos. "É impossível a comissão concluir a sindicância", disse Sion. "Tenho que tomar o depoimento de mais de 20 testemunhas, algumas deles morando no exterior", lamentou. Entre as testemunhas apresentadas por Abdul-Hak estão o presidente do Futebol Clube do Porto (Portugal) e o jogador Paulo Hink que atualmente atua na Alemanha. Apesar dessas dificuldades, Sion acredita que a sindicância, instaurada depois que a imprensa noticiou irregularidades na negociação de jogadores pelo clube, entre eles Viola, será concluída no final deste mês. "Até lá deveremos apresentar um parecer ao conselho deliberativo do clube". Após o depoimento de Sion, teve início o de Mário Mello Soares, presidente da Comissão de Estatutos do Santos Futebol Clube.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.