Rubens Chiri | saopaulofc.net
Rubens Chiri | saopaulofc.net

Lugano acha que defesa do São Paulo ainda vai brilhar e espera renovação de contrato

Zagueiro uruguaio diz que o grupo precisa ser inteligente emocionalmente para não dramatizar a quantidade de gols sofridos

Paulo Favero, O Estado de S. Paulo

07 de março de 2017 | 10h06

O zagueiro Diego Lugano sabe que o São Paulo precisa caprichar mais na defesa, para evitar tomar gols bobos, mas acredita que o time está no caminho para ser sólido atrás e continuar com a mesma força que tem demonstrado na frente. Tanto que apesar de ser a terceira pior defesa do Campeonato Paulista, com 14 gols sofridos, também possui o melhor ataque, com 21 marcados.

"A gente não gosta de sofrer gols, mas também tem de ser inteligente emocionalmente para não dramatizar essa situação. Cabe a nós desconfiar mais de cada bola e pode anotar o que estou falando. Quando chegar nos jogos decisivos, nos clássicos, nossa defesa vai voltar a ser o que foi no ano passado", comentou o uruguaio.

Ele sabe que os números não são tão bons, mas lembra que o time tem conversado para mudar esse panorama. "Nas estatísticas não foi um bom começo de ano. Tomamos muito gol e não estamos satisfeitos com isso. Na semana passada conversamos sobre isso, fizemos uma autocrítica e assistimos aos vídeos dos jogos com o Rogério. Nenhum dos gols que sofremos foi por desequilíbrio tático ou por ser superado pelos adversários, foram por erros de decisões individuais ou por perder duelos particulares na área."

O jogador acho que o time precisa aprender com isso e levar de lição para as próximas partidas. "Coletivamente, o time está mantendo um equilíbrio importante e esses erros nos fazem desconfiar mais de qualquer bola, mesmo que pareçam que não vão trazer perigo. É solucionável e corrigível", comenta o atleta, que espera ter cada vez mais chances. "Tenho de ser competitivo para jogar num time como São Paulo."

O jogador foi titular na vitória por 4 a 1 diante do Santo André e espera manter o bom nível para renovar seu contrato. No momento, não pensa em aposentadoria. "Faz um ano que não falto um minuto de treino, estou à disposição toda quarta e domingo, em um momento físico e mental melhor do que há dois ou três anos. Isso me motiva a continuar e desfrutar de tudo. Meu contrato vai até junho, vai depender do clube, mas no que depender de mim, vou continuar", avisou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.