JF Diorio| Estadão
JF Diorio| Estadão

Lugano sobre La Paz: 'Se jogarmos mal de novo, não temos chance'

'Temos de ser precisos e coerentes', diz zagueiro uruguaio

Ciro Campos, Estadão Conteúdo

18 de abril de 2016 | 11h49

O zagueiro Diego Lugano fez alertas para o São Paulo nesta segunda-feira para que o time não repita no próximo jogo os erros que custaram a eliminação e a goleada no Campeonato Paulista por 4 a 1 para o Audax, no último domingo. Para o uruguaio, se a equipe novamente se desorganizar e tiver erros de movimentação, vai perder para o The Strongest, em La Paz, na próxima quinta-feira, e ficar fora também da Copa Libertadores.

"Temos que ter coisas que não tivemos. Uma ordem inegociável e impecável para não corrermos errado. Se corrermos errado em La Paz como corremos, não teremos chance nenhuma", disse o uruguaio, que foi titular na derrota para a equipe de Osasco. "Com a bola, temos de ser precisos e coerentes para sabermos quando tem que acelerar. É um jogo que se joga mais com a cabeça, porque a bola tem outra velocidade", explicou.

Na altitude de 3,6 mil metros da capital boliviana o São Paulo depende apenas de um empate para avançar às oitavas de final da Libertadores. Em caso de derrota, o The Strongest estará classificado e assim, vai forçar o time do Morumbi a ficar quase um mês sem calendário. A próxima partida seria apenas no início do Campeonato Brasileiro, em meados do mês de maio.

O risco de nova eliminação pressiona o elenco e fez o uruguaio explicar que a sequência de partidas tem causado desgastado e atrapalhado o rendimento. "O São Paulo vem jogando a cada três ou quatro dias, uma média altíssima somada às viagens. A realidade indica que o elenco é curto, não é suficiente para encarar duas competições com viagens muito longas. A prova está no campo, não conseguimos manter a intensidade física sempre", comentou.

A partida na Bolívia representa ainda o desafio ao time de vencer a primeira fora de casa em competições oficiais em 2016. Foram 11 compromissos, com sete empates e quatro derrotas, desempenho que fez o uruguaio admitir que o São Paulo está abaixo do esperado. "É uma estatística dura. Não podemos nos iludir. Isso marca nossas limitações como time. Não temos que ter vergonha, a realidade fala mais alto. Não podemos supervalorizar esse time do São Paulo, que ainda está em reconstrução", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.