Lugano se arrepende da briga no aeroporto

Diego Lugano declarou, hoje, que se arrependeu de ter perdido a calma com um agente federal, que o deteve, na quarta-feira, no Aeroporto de Cumbica, por desacato a autoridade. Garantiu, no entanto, que em nenhum momento chegou a insultá-lo, como afirmara o policial. Disse que se irritou, porque achava que não estava sendo bem tratado. "Mas eu só coloquei o passaporte em cima do balcão e não joguei em cima dele, como falaram. Não o xinguei em nenhum momento, só fiquei irritado com a situação", afirmou. "Não era para tudo isso. Ele (o agente) foi exagerado e eu, burro." De acordo com dirigentes do próprio São Paulo, o zagueiro jogou o passaporte sobre a mesa de maneira brusca e falou um palavrão, mas não contra o policial e sim como forma de extravasar seu nervosismo, depois que o agente pediu que preenchesse novamente seu formulário destinado a estrangeiros. Por recomendações dos advogados, Lugano não quis entrar em detalhes, pois o caso será decidido judicialmente. A diretoria e a comissão tecnica não vão aplicar nenhuma punição ao jogador. Acham que não houve motivo para tanto alarde. O episódio foi levado na brincadeira pelos companheiros. No início da madrugada de hoje, no Aeroporto de Quito, vários jogadores lhe pediram calma, de forma debochada, no momento em que ia apresentar o passaporte à Polícia Federal. "Não vai perder a calma, hein?", brincou Diego Tardelli. Até o presidente Marcelo Portugal Gouvêa tirou uma casquinha da situação.

Agencia Estado,

05 de março de 2004 | 15h25

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.