Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Lugano se defende da acusação de Elano

Diego Lugano, zagueiro do São Paulo, tem certeza que Elano, ao chamá-lo de violento após a vitória por 1 a 0 do Santos, no domingo, está cumprindo a risca um plano pré-determinado. "Ele quer me colocar na defensiva no jogo do dia 20, mas não vai conseguir", disse o uruguaio, ao citar o confronto de volta entre os dois times pela Copa Sul-Americana.O motivo? "O Elano sabe que vai jogar na casa do São Paulo e que as coisas vão ser diferentes. Nosso time tem muita raça e eles vão ter de jogar muito para conseguir a classificação. Então, começa a aprontar comigo. Só não sei quem é que criou isso. Não deve ter sido ele mesmo", acusou Lugano.Nem o fato de o São Paulo haver perdido para os reservas do Santos faz Lugano mudar de idéia em relação ao próximo jogo. "Futebol não é matemática. Eles ganharam com os reservas e podem perder com os titulares", garantiu.O uruguaio estranha muito as críticas de Elano. "Gostaria que as pessoas vissem o jogo novamente e contassem quantas vezes eu disputei uma bola com ele. Ou quantas vezes eu falei com ele no jogo. Nenhuma vez. Então, por que fica falando que sou violento?"Lugano acha que não fez uma partida violenta no domingo. "Só fiz uma falta dura. Foi no Marcinho, em um lance que cheguei atrasado. Não teve mais nada. Levei um tapa do William e isso ninguém fala. Eu não tive amarelo nesse jogo, mostra que estão falando muito, reclamando por bobagem", defendeu-se. Ele conta que muitos jogadores o ofendem dentro de campo, tentando provocar uma reação sua. "São inocentes. Querem levar uma pancada para que eu seja expulso e prejudique o meu time. Só que não vão conseguir isso. O Preto Casagrande fez isso desde o começo do jogo. Eu sou profissional e não caio em uma bobagem dessas. Vou estar em campo no Morumbi e jogando como jogo sempre."O zagueiro do São Paulo disse não entender o motivo de jogadores brasileiros contarem a repórteres o que se passou em campo. "Para mim, tudo se resolve no campo. Não tenho mágoa de ninguém e não fico me queixando para jornalistas. E tem muito jornalista que é torcedor e fica me provocando. Eles vêm fazer intriga, dizendo que o adversário falou isso e aquilo. Isso irrita, não parece ser um bom jeito de trabalhar." Pontaria - O São Paulo volta a treinar nesta terça-feira, depois de um dia de descanso. O próximo jogo será domingo, em Belo Horizonte, contra o Atlético-MG, pelo Brasileiro.Leão vai continuar os treinamentos de chute a gol. Ele conseguiu que o time chutasse mais, mas ainda não transformar isso - exceção aos 7 ao 0 contra o Paysandu - em mais gols. O atacante Grafite concorda. "Perdemos para o Santos porque falhamos muito nas finalizações. Temos de melhorar nesse aspecto", afirmou.

Agencia Estado,

11 de outubro de 2004 | 17h39

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.