Luis Álvaro detona Ganso e DIS: 'Que morram abraçados'

A queda de braço entre DIS e Santos está mais intensa do que nunca. O fato de a empresa ter os direitos econômicos de Neymar e Paulo Henrique Ganso incomoda o presidente Luis Álvaro Ribeiro. Nesta sexta-feira, o dirigente fez duras críticas ao grupo. Em entrevista à rádio Estadão/ESPN, Luis Álvaro se irritou ao ser indagado sobre o fato de Paulo Henrique Ganso "abraçar a ideia" da DIS e se interessar em vender 10% de seus direitos econômicos para a empresa. "Se o Ganso abraça a ideia, que morram juntos e abraçados", disparou o dirigente.

DANIEL BATISTA, Agência Estado

24 de dezembro de 2011 | 09h32

Representantes da DIS, por sua vez, comemoraram o desabafo do dirigente, por entender que a atitude só demonstra a fraqueza do cartola diante da situação, o que facilitaria a negociação do meia, sobretudo com o mercado externo, antigo desejo da empresa. A reportagem da Agência Estado tentou contato com representantes da DIS, que preferiram não se manifestar.

Atualmente, 45% dos direitos econômicos de Paulo Henrique Ganso pertencem ao Santos, 45% são da empresa e 10% do atleta. Esta parte que pertence ao jogador está sendo vendida para a DIS, que já acertou os valores e na última quarta enviou uma notificação para o Santos, avisando que o clube tem 10 dias para cobrir a proposta. Caso não faça, a empresa passa a ser detentora da maior parte dos direitos econômicos do meia.

A comemoração pela entrevista se dá pelo fato de a empresa acreditar que o presidente não está conseguindo lidar bem com a situação e, a cada dia, cria um novo motivo para o meia deixar o clube. A ideia da DIS é segurá-lo no Santos até o meio do ano que vem e, após a Copa Libertadores, vendê-lo. O problema é o jogador conseguir manter o foco neste período.

No Japão, Paulo Henrique Ganso disse já ter vendido os 10% para a empresa, mas ao desembarcar no Brasil mudou o discurso. Luis Álvaro culpa a DIS pela confusão. "Essa foi uma informação plantada por essa gente, que ele (Ganso) tem como procurador. Gente de péssima qualidade, que fica botando coisas na cabeça dele. A obrigação é que o Santos tem que ser notificado e eu vou responder no meu tempo, não pelo calendário dos outros", disse o presidente.

A notificação já está com a diretoria alvinegra. O problema é que Luis Álvaro ainda não decidiu o que vai fazer. Ele afirmou que só tomará uma decisão quando voltar das férias em Barcelona, na semana que vem. Pelas contas da DIS, o Santos precisa se manifestar até o dia 30 de dezembro. Até lá, a ordem é não se pronunciar para evitar mais confusão.

IRONIAS E RECADO - Na prática, o que muda é apenas o fato de a DIS lucrar mais em eventual venda do jogador. Mas o Santos continua sendo o responsável por aceitar ou não a proposta. Luis Álvaro tripudiou e afirmou não estar preocupado com a possibilidade de a empresa se tornar majoritária economicamente no negócio.

"Existe direito federativo. Econômico não significa nada. Eles podem ter 99%, muda zero. Se tiverem proposta pelo Ganso, tragam", disse o dirigente. A DIS espera lucrar com a transferência de Paulo Henrique Ganso para compensar o fato de Neymar ficar no Santos até 2014. A empresa é detentora de 40% dos direitos econômicos do atacante.

Tudo o que sabemos sobre:
futebolSantosLuis ÁlvaroGansoDIS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.