Alberto Martín/EFE
Alberto Martín/EFE

Luis Enrique defende Neymar: 'Drible ofende mais do que as faltas'

Imprensa espanhola também noticia uma suposta tentativa de Simeone de agredir o atacante no jogo entre Barça e Atlético 

Estadão Conteúdo

31 de janeiro de 2015 | 12h09

A atuação de Neymar na vitória do Barcelona por 3 a 2 sobre o Atlético de Madrid, na quarta-feira, pela Copa do Rei, ainda gera repercussão na Espanha. Não tanto pelos dois gols marcados pelo brasileiro, mas pela revolta gerada nos jogadores adversários. Nomes como Juanfran e Fernando Torres discutiram com o atacante, enquanto Gabi deixou o gramado reclamando das provocações dele.

Neste sábado, o técnico do Barcelona, Luis Enrique, entrou na polêmica e fez questão de defender seu comandado. "Este é um país curioso. Ofende mais dar um drible do que o revide com quatro ou cinco faltas. Os brasileiros entendem o futebol como um espetáculo, para divertir-se e para competir", declarou.

A discussão ganhou tanto espaço na Espanha que o jornal catalão Sport chegou a denunciar uma possível campanha que estaria acontecendo em Madri contra o brasileiro. Na sexta-feira, também foi noticiada uma suposta tentativa do técnico Diego Simeone de agredir o atacante na saída para o intervalo.

Em meio às polêmicas, o fato é que Neymar vive seu melhor momento no Barcelona desde a chegada, há cerca de um ano e meio. A grande fase do brasileiro já foi reconhecida pelos companheiros, que não pouparam elogios após a vitória de quarta, e agora também por Luis Enrique, que só evitou as comparações com Messi.

"Ele (Neymar) está no melhor clube para marcar uma época, é um jogador especial e único", afirmou. "Se pode chegar a superar o Messi? Considero que o Messi, por tudo que fez e faz, é o número 1. Mas o Neymar é um jogador referência no Brasil e está acostumado a tudo que rodeia o futebol. Teve um grande desempenho no ano passado, mesmo sendo seu primeiro (no Barça), e este ano está magnífico."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.