Juanjo Martin/EFE
Juanjo Martin/EFE

Luis Enrique exalta goleada do Barcelona: 'É uma glória bendita'

Técnico festeja muito o triunfo de seu time sobre o rival Real Madrid

Estadão Conteúdo

21 de novembro de 2015 | 20h25

O técnico Luis Enrique afirmou que golear o Real Madrid por 4 a 0 em pleno Santiago Bernabéu "é uma glória bendita". O resultado deste sábado ainda fez com que o time catalão abrisse seis pontos de vantagem para o arquirrival na liderança do Campeonato Espanhol. "É o eterno rival e é normal a nossa satisfação não só pela vitória, mas pela maneira como conseguimos", acrescentou. "Fomos superiores. A equipe esteve buscando o que queria o tempo todo e conseguimos", completou.

A vitória foi construída graças às grande atuações de Neymar e Suárez. O uruguaio abriu e fechou o placar. O brasileiro marcou o segundo e deu assistência de calcanhar para Iniesta fazer o terceiro. Para o treinador, o segredo de alcançar o placar elástico foi não dar espaço para o Real Madrid jogar. "Não vi o Real Madrid rendido em nenhum momento. Fomos superiores nas zonas do campo que queríamos. Chegamos com facilidade ao ataque e criamos muitas chances de gol. Fomos eficientes na frente e atrás".

O clássico também marcou o retorno de Messi aos gramados. Recuperado de uma lesão no joelho esquerdo sofrida no final de setembro, o craque argentino começou a partida no banco de reservas e entrou quando o placar já estava 3 a 0. "Foi relativamente fácil tomar a decisão de deixar Messi entrar em campo. Tanto eu como ele decidimos que era o melhor após se recuperar de uma longa lesão", comentou Luis Enrique.

Seu substituto no trio de ataque foi Sergi Roberto, que teve uma boa atuação, com direito a assistência para Suárez abrir o marcador. "Está claro que é o curinga da equipe. Pode jogar em todas as posições do campo, de volante, armador, defesa... Tem boa chegada e capacidade para defender. Tem todas as qualidades para se tornar um grande jogador", finalizou o treinador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.