Bruno Domingos/Reuters
Bruno Domingos/Reuters

Luís Fabiano coloca vitória na frente de artilharia

Atacante brasileiro divide com o chileno Humberto Suazo a artilharia das Eliminatórias, com nove gols

AE, Agencia Estado

13 de outubro de 2009 | 15h04

O atacante Luís Fabiano prometeu deixar em segundo plano a luta pela artilharia das Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2010. O jogador assumiu a responsabilidade pelos gols da seleção brasileira, mas afirmou que o importante será a vitória na partida da próxima quarta-feira, contra a Venezuela, em Campo Grande.

Veja também:

linkLucas ainda sonha com a convocação à Copa

linkCerca de 3 mil pessoas veem treino do Brasil

linkGilberto Silva acha que derrota tira pressão

linkTécnico tem dúvidas para montar grupo da Copa

linkCampo Grande faz festa para receber a seleção

linkJOGO - Leia como foi Bolívia 2x1 Brasil

linkCopa 2010: mais oito países estão classificados

especialMAPA - Os países que já garantiram vaga na Copa

Eliminatórias da Copa - tabela Classificação | lista Tabela 

especial ELIMINATÓRIAS - Mais no canal especial

especial Dê seu palpite no Bolão Vip do Limão

"A melhor maneira de um atacante ajudar sua equipe é fazendo gols. Fazendo gols vou ter a oportunidade de ser artilheiro, mas o importante é ajudar a equipe a vencer. Espero que consiga fazer os gols, estou ali para isso e para ajudar a seleção a vencer."

Luís Fabiano divide com o chileno Humberto Suazo a artilharia das Eliminatórias, com nove gols cada um. Com a classificação antecipada de Brasil e Chile para a Copa do Mundo, os dois jogadores travarão um duelo particular nas partidas de seus países contra Venezuela e Equador, respectivamente, pela última rodada da competição.

Em alta na seleção brasileira, Luís Fabiano também afirmou nesta terça-feira que está feliz no Sevilla, mas deixou em aberto uma possível transferência ao fim da temporada. O clube divide a vice-liderança do Campeonato Espanhol com o Real Madrid, com 15 pontos nas cinco primeiras rodadas.

"Estou muito feliz no Sevilla, vivendo fase maravilhosa, time que me deu chance de voltar à seleção", afirmou o atacante. "Eu já tive muitas propostas, mas não estou num grande clube porque o presidente do Sevilla me adora. Acho que vai pintar oportunidades para alguma transferência, até porque o contrato está acabando", concluiu.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.